SRZD


26/08/2009 15h15

Banda Beirut: Fãs fazem música no Rio
Nathália Marsal

Imagina você andando por uma praça em pleno domingo e se deparando com um grupo de pelo menos dez pessoas tocando músicas com instrumentos para lá de diferentes. O encontro conhecido como "Beirutando na Praça", organizado por cantores e músicos amadores, acontece todo fim de semana no Palácio do Catete, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Uma das organizadoras, Daniela Steagall, de 21 anos, conta que o grupo foi criado para fãs da banda Beirut se reunirem e tocarem as músicas em homenagem aos componentes.

"O primeiro encontro no Rio de Janeiro havia sido marcado para o dia 6 de fevereiro deste ano, mas não tivemos tempo de organizar ou ensaiar, então resolvemos fazer ensaios aos finais de semana para fazer um beirutando junto com outras cidades", disse a estudante de medicina. O Beirutando vai acontecer simultaneamente, no próximo dia 30, em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre, Curitiba, entre outras. Aqui no Rio, especificamente, o grupo se reúne a partir das 13h na gruta do Palácio do Catete.

Eduardo Azeredo, de 19 anos, que também participa e ajuda a organizar o beirutando conta que a ideia surgiu quando duas garotas do interior de São Paulo conversavam sobre música em geral e chegaram ao Beirut. "Elas ficaram imaginando quantas pessoas no Brasil gostariam da banda e de outras parecidas, e então veio a ideia de tentar reunir o maior número de admiradores do Beirut em algum lugar. Elas mostraram isso no Orkut e assim o projeto floresceu e se tornou o Beirutando", explicou.

Daniela, que toca escaleta, lembra que a primeira vez que o grupo se reuniu no Rio, no dia 28 de março, não ocorreu tudo certo. "Marcamos no Largo do Machado e acabamos ficando misturados com mendigos, pessoas entrando no metrô e barulhos de carro", disse Daniela, que agora respira aliviada pelo grupo ter achado o seu canto, agora no Palácio do Catete.

Entretanto, os "birutas", como às vezes se denominam, tocam de tudo. Canções de The Beatles, Los Hermanos, Vanguart, Pink Floyd e outras de rock também entram na playlist do grupo. De acordo com Eduardo Azeredo, não precisa ser fã de Beirut para ir ao Beirutando. "Quando fui apresentado ao Beirutando, eu apenas conhecia uma música do Beirut e mesmo assim fui ao evento e a recepção foi maravilhosa. Acho que o encontro é para quem curte música e quer aproveitar um programa diferente.", frisou o estudante, lembrando que o encontro é um pouco além de se fazer um cover das músicas do Zach Condon, vocalista da banda de Indie Folk, Beirut.

O evento foi todo organizado por meio de tópicos da comunidade do Orkut Beirutando na Praça. A comunidade, com mais de 620 membros, explica em sua descrição o que é ser Beirut. "É, antes de mais nada, querer trilhar seu própio rumo e sempre seguir em frente. Então, afine seu ukulele e seu bandolim, pegue a sua campainha, seu trompete, sua melancia e baquetas e desça pra vida!"

A divulgação do evento e da paixão pela banda acontece por meio de Blogs, Youtube, Myspace, Twitter e Staff & Músicos. Para os ensaios, os músicos amadores chegam por volta de 15h, cada um com um instrumento diferente. São bandolins, ukeleles, pandeiros, violões, violinos, campainhas, trompetes, escaletas, violoncelos e até snujs (espécie de prato de dedo). Cada um com o seu som, mas que misturados entram em sintonia. Eduardo Azeredo não toca nenhum instrumento, mas diz que o evento é garantia de diversão. "Fiz muitas amizades nesses encontros e como não sei tocar nenhum instrumento vou para escutar e ajudo a organizar", alegrou-se.

A banda Beirut se apresenta no Brasil no 16º Festival do Perc Pan - Panorama Percussivo Mundial. No Rio de Janeiro, o grupo faz shows nos dias 8 e 9 de setembro, no Oi Casa Grande, localizado na Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, no Leblon. Os "birutas" pretendem fazer um vídeo do encontro no próximo domingo e mostrar ao vocalista em forma de homenagem.  Veja aqui o vídeo do último encontro, dia 23:


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.