SRZD


02/09/2009 11h22

Fitinha da Esquina: Os sucessos do "Acústico MTV"
Luiz Felipe Carneiro

Fitinha da Esquina: Os sucessos do

Quando a banda inglesa Squeeze fez o primeiro "Acústico" da história da MTV, em 1989, a emissora certamente não imaginava a grande mina de ouro que tinha acabado de descobrir. O especial do Squeeze foi ao ar no dia 26 de novembro de 1989, ou seja, há quase 20 anos. Depois dela, outros artistas gravaram especiais memoráveis, como Stevie Ray Vaughan, Eric Clapton, R.E.M. e Sting. Até hoje, o termo "Unplugged" é sinal de sucesso. A MTV surgiu no Brasil em outubro de 1990, e já no ano seguinte, o "Acústico MTV" nasceu. Naquela época, o programa ainda era conhecido por aqui pelo seu nome em inglês ("Unplugged"), mas o sucesso dos especiais foi tão grande, que o nome em português acabou se sobressaindo e se transformando em sinônimo de altas vendagens de discos e vídeos. O primeiro "Acústico" da história da MTV brasileira foi com a banda Barão Vermelho. Antes de virar moda e se transformar na tábua de salvação de muitos artistas, o "Acústico MTV" era bem diferente do que conhecemos hoje. Nada de convidados especiais, orquestra de cordas, megaprodução... Nos primórdios do projeto, o que imperava era o despojamento. Alguns sucessos, lados B, pouco ensaio... Os "Acústicos" do Barão e da Legião Urbana são belos exemplos disso, em contraste com a megaprodução dos projetos de Titãs e Paulinho da Viola. A Fitinha da Esquina desse mês vai fazer um apanhado de alguns dos melhores momentos da história dos "Acústicos" produzidos no Brasil.


Lado A :

1)    "Ponto Fraco" (Barão Vermelho) - Em 1991, o Barão Vermelho gravou o primeiro "Acústico" da história da MTV brasileira. Na ocasião, a banda carioca estava lançando o álbum "Na Calada Da Noite", e já tinha sido agraciada pela emissora com a produção de um dos primeiros videoclipes de sua (então curta) história ("Tão Longe De Tudo"). Naquela época, o formato do programa ainda não tinha muito a ver com o que conhecemos. Os primeiros programas da série eram mais despojados. E o do Barão não foi diferente. Em pouco mais de 40 minutos, Frejat e companhia apresentaram dez canções como se estivessem em um luau para os amigos. A maior parte do repertório foi composta por canções do álbum que ora estava sendo lançado, como "Política Voz", "Seco" e "Tão Longe de Tudo". Mas, no final, além de mandar uma versão para "Vale Quanto Pesa" (de Luiz Melodia, e que acabou entrando no "Álbum" que o Barão lançou em 1996), o grupo fez a festa dos fãs com "Bete Balanço" e "Ponto Fraco", que ganhou uma versão muito bacana, e, por isso, dá início a essa Fitinha.

2)    "Hoje a Noite Não Tem Luar" (Legião Urbana) - Depois do "teste" com o Barão Vermelho, a MTV convocou outra importante banda, muito identificada com o seu público jovem, para dar prosseguimento ao projeto. Avessa à gravação de videoclipes, a Legião Urbana aceitou o convite da emissora para gravar o especial e, assim, se livrar da obrigação de filmar videoclipes para o recém-lançado disco "V". A tônica do programa seguiu a do Barão, ou seja, sucessos, canções de terceiros e muitas músicas do álbum ora lançado em um clima descontraído, com direito a muitos erros por parte da banda. A emissora fez um especial da gravação e o levou ao ar. Na época, as gravadoras ainda não se interessavam em lançar o resultado em disco e vídeo. O "Acústico MTV" da Legião acabou só chegando às lojas após a morte de Renato Russo. Um dos destaques do programa foi a canção "Hoje a Noite Não Tem Luar", um cover de uma canção dos Menudos. Renato Russo achou que a emissora estava trocando as fitas e não imaginava que aquilo tudo estava sendo registrado. Em 1999, a canção fez imenso sucesso. E, como perguntou Renato Russo, "ela não é bonitinha?"

3)    "Tempo Rei" (Gilberto Gil) - Após duas bandas de rock, a MTV, ainda em 1992, resolveu convidar um artista essencialmente "acústico" para gravar o programa. João Bosco foi escolhido, desfiou os seus clássicos, e a gravação gerou o primeiro álbum "Acústico MTV" brasileiro. Mais um passo foi dado. Após um hiato de um ano, a MTV retomou o projeto "Acústico" e convidou Gilberto Gil, que seria o primeiro artista a ter a dobradinha CD/VHS lançada no mercado. O "Unplugged" de Gil acabou entrando para a história por ter feito a transição entre os "acústicos" descontraídos para algo mais superproduzido. Sem chamar nenhum convidado especial ou orquestra de cordas, o compositor baiano reuniu uma excelente banda e relembrou sucessos de todas as fases de sua carreira. Um dos destaques do programa, e que acabou fazendo relativo sucesso na época, foi a canção "Tempo Rei", lançada originalmente no seu disco "Raça Humana", de 1984.

4)    "Pra Dizer Adeus" (Titãs) - Após Gilberto Gil, foi a vez de Moraes Moreira lançar o seu ótimo "Acústico MTV", em 1995. Mais dois anos se passaram e finalmente veio mais um "Acústico". E que "Acústico"... Em 1997, os Titãs, que vinham de um disco que não foi nem um pouco bem de vendas ("Domingo"), estavam fora dos holofotes. Os shows não enchiam muitos, alguns de seus integrantes se aventuravam em projetos paralelos. Enfim, tudo bem diferente daquela banda que tanto sucesso fez em 1986 com o álbum "Cabeça Dinossauro". Para dar a volta por cima, a banda paulista chamou uma grande orquestra, convidados especiais (Marisa Monte, Arnaldo Antunes, Jimmy Cliff, Fito Paez, Marina Lima e Liminha) e remodelou os seus sucessos. O maior sucesso do álbum, que vendeu mais de 1,7 milhão de cópias (disparada a maior vendagem da banda), foi "Pra Dizer Adeus", que já havia sido gravada no álbum de estreia ("Titãs", de 1984), mas não chegou a tocar nas rádios. E, com o "Acústico MTV" mais bem-sucedido da história, os Titãs acabaram ficando maiores do que nos tempos do "Cabeça Dinossauro"...

5)    "Vapor Barato / Flor da Pele" (Gal Costa & Zeca Baleiro) - Poucos meses após o arrasa-quarteirão dos Titãs, foi a vez de Gal Costa encarar a emissora "teen". Contando com a produção de Marco Mazzola, a cantora baiana seguiu o mesmo espírito do especial dos Titãs: uma grande orquestra, arranjos diferenciados e diversos convidados especiais. Além de Frejat (que interpretou "Paula e Bebeto", de Caetano e Milton, ao lado de Gal, para fazer o "link" com o público jovem da emissora), Herbert Vianna e Luiz Melodia, Gal convidou Zeca Baleiro, que acabara de lançar o seu álbum de estreia, que fez imenso sucesso com "Flor da Pele", uma música em homenagem a "Vapor Barato" (de Wally Salomão e Jards Macalé), que, por sua vez, renasceu em 1996, devido a sua inclusão na trilha sonora do filme "Terra Estrangeira", de Walter Salles. Gal Costa juntou as duas canções em um medley e o resultado ficou deslumbrante.

6)    "Tendo a Lua" (Os Paralamas do Sucesso) - Em 1998, foi a vez de Rita Lee gravar o seu "Acústico MTV", que seguiu o mesmo padrão dos especiais dos Titãs e de Gal Costa. No ano seguinte, Os Paralamas do Sucesso invadiram o Parque Lage e, ao contrário do que a maioria das pessoas pensava, gravaram um repertório composto essencialmente por "lados B". Não houve orquestra e apenas Zizi Possi e Pedro Luis foram chamados para dividir os vocais com Herbert Vianna em duas canções. Entre poucos sucessos ("Vamo Batê Lata", "Lourinha Bombril" e "Caleidoscópio") e covers ("Feira Moderna", "Life During Wartime" e "Que País É Este?"), os Paralamas repaginaram velhas canções que andavam meio esquecidas, como "Fui Eu", "Bora Bora" e "Nebulosa do Amor". Atendendo aos pedidos do público, Herbert, Bi e Barone relembraram "Tendo a Lua", canção do álbum "Os Grãos", considerada uma das mais bonitas da obra do trio carioca. Até hoje, o "Acústico MTV" dos Paralamas é considerado um dos melhores produzidos no país.


Lado B :

1)    "Natasha" (Capital Inicial) - Assim como aconteceu com os Titãs, o projeto "Acústico MTV" serviu para que a carreira do Capital Inicial renascesse. No ano 2000, o Capital vinha de um bom disco ("Atrás Dos Olhos", de 1998), mas o seu público ainda era composto dos saudosistas que cantavam "Veraneio Vascaína", quinze anos antes. Com o "Acústico MTV", a banda de Dinho Ouro Preto estourou no Brasil todo, e a garotada, ao mesmo tempo em que conhecia os velhos sucessos do grupo ("Fátima", "Música Urbana", "Fogo"), se encantava com novas músicas que não ficavam nada a dever aos velhos cavalos de batalha oitentistas. "Natasha", com a sua letra juvenil ("Tem dezessete anos e fugiu de casa / És sete horas na manhã no dia errado / Levou na bolsa umas mentiras pra contar / Deixou pra trás os pais e o namorado"), foi o maior hit do álbum (cuja faixa "Primeiros Erros (Chove)", de Kiko Zambianchi, também fez muito sucesso), e o Capital Inicial acabou se transformando no maior fenômeno pop brasileiro da virada do milênio.

2)    "Quando a Maré Encher" (Cássia Eller & Nação Zumbi) - No mesmo ano que o Capital gravou o seu "Acústico", a banda de pagode Art Popular e o cantor Lulu Santos também gravaram os seus. O de Lulu, inclusive, foi o primeiro "Acústico MTV" que saiu em CD duplo - mais tarde, Jorge Benjor optaria pelo mesmo formato. Em 2001, Cássia Eller, que vinha de um grande álbum e uma turnê de sucesso ("Com Você Meu Mundo Ficaria Completo", que culminou em uma apresentação histórica no Rock in Rio 3), apostou as suas fichas no projeto da MTV. Mais uma vez, a cantora se juntou ao produtor Nando Reis, e o resultado ficou sensacional. Cássia Eller abriu o show cantando Piaf ("Non, Je Ne Regret Rien") e ainda atacou com Chico Buarque ("Partido Alto"), Riachão ("Vá Morar Com o Diabo"), Gilberto Gil ("Queremos Saber"), Mutantes ("Top Top"), Beatles ("Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band"), Cazuza ("Todo Amor Que Houver Nessa Vida") e Renato Russo ("Por Enquanto"). Sem dúvidas, um dos repertórios mais originais da história dos "Acústicos". Uma das convidadas especiais de Cássia Eller foi a banda Nação Zumbi. Juntas, fizeram uma versão alucinante de "Quando a Maré Encher", um dos melhores momentos de seu "Acústico MTV". Pena que a versão para "Bichos Escrotos" (dos Titãs) tenha ficado somente para a turnê que sucedeu ao CD e DVD.

3)    "As Curvas da Estrada de Santos" (Roberto Carlos) - Em 2001, o projeto "Acústico" da MTV estava em seu auge. Não havia jeito de um artista gravar um especial e não vender centenas de milhares de discos. Mesmo sem precisar, até Roberto Carlos quis experimentar a brincadeira. O programa nunca foi transmitido pela MTV, devido ao contrato do Rei com a Rede Globo. Mas o CD e o DVD foram lançados e foi um grande campeão de vendas no Natal de 2002. Em seu "Acústico", Roberto Carlos rejuvenesceu e resgatou canções que havia anos não cantava. "As Curvas da Estrada de Santos" é um desses exemplos. A canção ganhou um arranjo bacana, puxado para o soul da gravação original. Tudo bem diferente dos arranjos pasteurizados que Roberto Carlos apresentava em seus shows. Além de deslizar nas curvas da cidade portuária, Roberto Carlos ainda lembrou grandes sucessos como "Detalhes", "Emoções", "Jesus Cristo", "O Calhambeque", "É Proibido Fumar" (com Samuel Rosa, do Skank) e "Além do Horizonte".

4)    "Lama Nas Ruas" (Zeca Pagodinho) - Se Roberto Carlos tinha gravado um "Acústico MTV", não dava mais para duvidar do poder de fogo do projeto da MTV. Entre 2002 e 2003, artistas como Jorge Ben, Marina Lima, Cidade Negra, Kid Abelha e Charlie Brown Jr desplugaram suas guitarras e lançaram discos que venderam bastante. Mas quando, no final de 2003, foi anunciado que Zeca Pagodinho gravaria o seu "Acústico", pouca gente acreditou. Mas, era verdade mesmo. Zeca Pagodinho teve que vestir um alinhado terno, repetir diversas canções durante a gravação e até mesmo reclamar que não tinha bebida para o público. Contando com a produção de Rildo Hora, o sambista gravou novas versões dos seus sucessos, com arranjos elaboradíssimos. "Faixa Amarela", "Deixa a Vida Me Levar", "Verdade", "Jura", "Seu Balancê", "Samba Pras Moças"... Realmente, sucesso era o que não faltava. Mas o maior destaque do primeiro "Acústico" de Zeca Pagodinho foi a canção "Lama Nas Ruas" (composição do próprio, ao lado de Almir Guineto). Emoldurada por um arranjo de cordas arrepiante, a letra ficou ainda mais bonita: "Vim pra provar que o amor quando é puro / Desperta e alerta o mortal / Aí é que o bem vence o mal / Deixa a chuva cair, que o bom tempo há de vir / Quando o amor decidir mudar o visual / Trazendo a paz no sol / Que importa se o tempo lá fora vai mal / Que importa?".

5)    "As Quatro Estações" (Sandy e Junior & Marcelo Camelo) - Depois de Zeca Pagodinho, o que mais poderia surgir no projeto "Acústico MTV"? Isso mesmo. Depois de Ira!, Marcelo D2, Engenheiros do Hawaii, Bidê ou Balde, Cachorro Grande, Ultramen, Wander Wildner, Ultraje a Rigor, O Rappa, Lenine, Zeca Pagodinho (de novo) e Lobão, foi a vez da dupla Sandy e Junior criar novos arranjos para os seus sucessos e varrer o Brasil com o seu show desplugado. Foram vários sucessos, como "Super-Herói (Não É Fácil)", "Com Você", "Enrosca" (com participação de Ivete Sangalo), "A Lenda", "Love Never Fails" e "As Quatro Estações". Esta última ganhou uma bonita versão com a participação de Marcelo Camelo. O projeto "Acústico" da dupla também serviu para ela anunciar o término de sua carreira. Definitivamente, não havia nada mais forte do que o "Acústico MTV" no mercado fonográfico brasileiro. E só de lembrar daquele início com os shows tão despojados de Barão Vermelho e Legião Urbana...

6)    "Eu Canto Samba" (Paulinho da Viola) - O último "Acústico MTV" gravado foi o de Paulinho da Viola. Lançado no final de 2007, o disco e o DVD seguiam, mais ou menos, o mesmo padrão do "Acústico" de Gilberto Gil. Não havia convidados especiais e nem maiores firulas. Era apenas Paulinho da Viola em cima do palco, acompanhado pela sua excelente banda. O mais difícil mesmo deve ter sido selecionar as canções. Com um repertório tão vasto, as 24 canções escolhidas para o show acabaram dando um gostinho de "quero mais". Mas também não tinha como reclamar: "Dança da Solidão", "Pecado Capital", "Nervos de Aço", "Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida", "Sinal Fechado", "Coração Imprudente", "Coração Leviano", "Timoneiro", "Coisas do Mundo, Minha Nêga"... De quebra, as inéditas (e deliciosas) "Bela Manhã", "Vai Dizer ao Vento" e "Talismã". Mas nada supera a última canção da apresentação. Quer saber por quê? Então lá vai a letra: "Eu canto samba / Por que só assim eu me sinto contente / Eu vou ao samba / Porque longe dele eu não posso viver / Com ele eu tenho de fato uma velha intimidade / Se fico sozinho ele vem me socorrer / Há muito tempo eu escuto esse papo furado / Dizendo que o samba acabou / Só se foi quando o dia clareou". Com Paulinho da Viola, o "Acústico MTV" nunca foi tão chique!

Logo abaixo, seguem alguns momentos importantes do projeto "Acústico MTV":

"Hoje a Noite Não Tem Luar" (Legião Urbana):



"Pra Dizer Adeus" (Titãs):



"Vapor Barato / Flor da Pele" (Gal Costa & Zeca Baleiro):



"Lama Nas Ruas" (Zeca Pagodinho):



Comentários
  • Avatar
    24/03/2010 21:58:22Arthur CaldasAnônimo

    Sinto falta apenas do DVD acústico MTV do Art Popular que não saiu. Alguém pode me responder porque isso aconteceu?

  • Avatar
    09/12/2009 22:05:52Marco Antonio AraujoMembro SRZD desde 09/12/2009

    Do Paulinho eu destacaria mais Timoneiro ou Tudo se transformou. Dos Titãs, o dueto com Marisa Monte em Flores foi arrebatador, assim como a participação do Arnaldo em O Pulso. E eu substituiria o 5 por vários que estão citados. Lenine foi otimo, Engenheiros deu uma revitalizada legal e o do Rappa além de muito bem executado, teve como um de seus pontos altos a participação da então nem tão famosa Maria Rita.

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.