SRZD


08/09/2009 14h04

Após confusão entre polícia e professores, Nova Escola é aprovado
Laura Machado - Atualizada às 19h29

Uma terça-feira de confusão no Centro do Rio. Três mil pessoas - entre profissionais de Educação, estudantes e aposentados - estiveram na frente da Assembleia Legislativa do Rio, no Centro, protestando em defesa do plano de carreira e da incorporação imediata da gratificação do Nova Escola e acabaram entrando em confronto com os policiais.

Após um acordo entre a bancada do governo e a oposição, o projeto foi aprovado por unanimidade pelos deputados. O Nova Escola atinge 95 mil servidores, entre ativos e inativos. Os profissionais vão receber 12% de aumento por 5 anos de serviço, e a gratificação será paga em sete vezes, até 2015. O valor da gratificação é numa escala de acordo com o nível em que o professor se encontra. * Veja galeria de fotos da confusão entre policiais e professores no Centro do Rio

Depois do resultado da votação, os professores decidiram manter a paralisação das atividades. Segundo eles, o plano de carreira não contemplou os profissionais com 40 horas de trabalho. A greve deverá ser mantida até quinta-feira, quando será organizada uma manifestação. Os professores se reunirão no Largo do Machado, Zona Sul do Rio, às 10h, rumo ao Palácio Guanabara (sede do governo estadual), e  às 15h farão uma assembleia, ainda sem local definido, para resolver se a greve continua ou não.

Antes da votação, PMs do batalhão da Praça Tiradentes (13º BPM) tentaram conter os manifestantes, que tomaram a rua Primeiro de Março. Pelo menos duas bombas de efeito moral foram lançadas pela corporação, além de tiros com balas de borracha. Onze pessoas ficaram feridas e foram socorridas pela equipe médica da Alerj. A tropa de choque da PM reforçou a segurança no local. Depois de ouvir o som das bombas, os deputados interromperam a reunião, em que era discutido o acordo para o projeto Nova Escola, para pedir o fim da violência ao comando policial em frente ao Palácio.

Foram identificados como Luis Ricardo Pereira, de 38 anos, Agraçair Casanova Cunha, de 43, e João Paulo Taniato, de 25, os feridos no confronto com a PM. Eles foram levados para o Hospital Souza Aguiar, no Centro. Outros dois feridos são Ciro Xavier e Gelson Almeida. O fotógrafo do Jornal O Dia, Felipe O'Neil, foi ferido por estilhaços de bomba no peito e levado para o Hospital Souza Aguiar. Um professor foi preso por desacato e levado para 5ª DP.

De acordo com nota da Polícia Militar, a manifestação em frente à Alerj estava sendo monitorada pelo Batalhão de Choque e pelo 13º BPM. Um manifestante desacatou uma guarda municipal e começou o tumulto, com pedras sendo atiradas contra os agentes de segurança. Dois PMs do batalhão da Praça Tiradentes foram feridos e encaminhados para o Hospital da PM, um deles com ferimento na cabeça, e o outro no braço, atingidos por pedras.

O deputado Comte Bittencourt, presidente da Comissão de Educação, solicitou ao sindicato que representa a categoria que encaminhe uma representação para narrar os fatos de violência em frente à Alerj para que seja aberta uma sindicância para apurar se houve excesso da PM. No início da noite de terça-feira, o advogado do Sepe acompanhou os profissionais de educação feridos no exame de corpo delito que irá instruir o inquérito para apurar o caso.

O presidente da Alerj, deputado Jorge Picciani, declarou que o Nova Escola é um grande acordo, costurado pelo parlamento, e representou R$ 1,5 bilhão a mais do projeto apresentado anteriormente para a categoria. Sobre a confusão que antecedeu a votação, e as vaias que recebeu, o deputado disse que buscou o apoio do batalhão de choque para manter a maior urbanidade possível, e que nunca deixou de entrar e sair pela porta da frente da casa. "Encaro as vaias de forma democrática", afirmou.

Na passeata que saiu da Candelária rumo ao Palácio Tirandentes, os professores fizeram uma parada em frente a Secretaria Estadual de Educação, onde protestaram com vaias e apitaço. A secretária Tereza Porto não recebeu os manifestantes.

Veja vídeo:

 


Veja mais sobre:AlerjEducação

Comentários
  • Avatar
    18/09/2009 13:15:52jose b. dos santosAnônimo

    Eu queria saber poque que meus colegas de serviço aceita confrontar os seus tambem colegas que são funcionario publicos como nos e estão tambem cobrando as mesmas coisas que nos que é o respeito do estado a nos funcionario publicos eles o(governo)quando querem votos vai as escolas aos quarteis pedir voto com falças promesa descomprida que nos não fassamos greve os professores endendem o que não é entendido é o confrontamento eles (Governo)se esconde atras de nos e nossa cara que aparece nos jornais com critica deles o governo EDUCADORES PERDOE A GENTE NÃ?O ESTAMOS SABENDO O QUE ESTMOS FASENDO.

  • Avatar
    14/09/2009 11:07:04Jairo BastosAnônimo

    Deveria ser banido da política quem faz do poder arma para ser usada contra o povo. A educação é a base de um povo e parece que estão tentando destruir esse alicerçe do conhecimento de nossa juventude. Ordem e Progresso onde você foi parar??????????????????????????????????? ???????????????????????????????????????? ???????????????????????????????????????? ???????????????????????????????????????? ????????????????

  • Avatar
    10/09/2009 12:04:47MariseAnônimo

    Quanto ao Excelentíssimo Governador Sergio Cabral as URNAS irão lhe mostrar tudo o que merece.Já a PM terá nos próximos dias votação para 5% de aumento e querem 10%.Tenho duas sugestõres a fazer: 1- Troquem de salário com aquele professor que vcs espacaram,balearam e etc..... . 2 - Peçam aos professores para lá comparecerem e baixar a porrada em vcs. Este é um "PAÍS DE TODOS" rsrsrsrsrs, só não é do professor.Se derem dignidade ao professor, o povo saberá votar e aí.....o "PODER" sai do controle.O que será dos Sérgios, Sarneys e tantos outros que bem conhecemos.Afinal o negócio é FUNK!!!!!!!

  • Avatar
    09/09/2009 18:23:15andré soaresAnônimo

    A cara da educação no Brasil é essa, certos políticos não valorizam os proficionais da educação municipal e estadual, que são os professores e pessoal de apoio, tirando toda moral que lhe são devidas, o salário é menor do que o meu que não tenho ensino médio.que vergonha! onde é que esse Brasil vai parar. politico é tudo igual.Boa sorte professores e apoiadores,pois, vocês vão precisar.

  • Avatar
    09/09/2009 17:10:54Marta BorgesAnônimo

    Infelizmente tivemos mais uma vez uma grande demonstração de descaso e falta de respeito para com o professor. Além de viver com um salário que está quase equiparado ao salário mí­nimo, ainda tem que esmolar para ser valorizado. Onde estão as promessas feitas na carta que Sérgio Cabral enviou para as residências dos professores? Que vergonha!!!!! Pelo menos não votei para elegê-lo, agora então...nem que a vaca tussa!!

  • Avatar
    09/09/2009 14:39:24LeoAnônimo

    O governo acha que a classe trabalhadora é burra. Ele oferece esmolas aos servidores públicos. Cabral prometeu 67% de aumento durante a campanha, além da incorporação do Nova Escola. Agora, com esta manobra, a classe ficará sem reajuste salarial pelo menos até 2015, já que o argumento será a incorporação de algo que já tínhamos por direito. Abramos os olhos. A DEFASAGEM SALARIAL DO PROFESSOR É ABSURDA!!! Espero o dia em que lutaremos por uma conquista verdadeira. Estou cansado de ser enganado. Talvez se os professores abandonarem a canoa furada da educação, um dia a classe será valorizada.

  • Avatar
    09/09/2009 14:32:55wenderliuson rodrigues mairinsAnônimo

    pow vcs tam fd porque nos queremos estudar direito vcs é pow depois nois repetimos pow cupa dfe vcs fuiuiuiuiui

  • Avatar
    09/09/2009 14:17:20Camila LimaAnônimo

    Estou indignada com a falta de comprometimento desse governo com a Educação.Fora, Cabral!!! Dependendo de nós, sua vida carreira política acabou, você é uma vergonha como governante>

  • Avatar
    09/09/2009 11:55:24Aparecida TobiasAnônimo

    Reconheço a reivindicações da classe,apenas lamento a falta de interesse da classe em defender os direitos dos alunos que sempre ficam prejudicados !!! na minha opinião eu acabaria com cargos de confiança na Educação e Saude Já seria um bom começo!!

  • Avatar
    09/09/2009 09:30:09Leila jothaAnônimo

    Infelizmente, em nosso país, a educação não pode prosperar, ser qualitativa, isto acabaria com as mordomias políticas e boa vida de certos setores da elite. sou professora ha 24 anos e o meu salário é de 1.300 reais.

  • Avatar
    09/09/2009 09:15:59GILCÃ?A TOSTESAnônimo

    Sidney, o maior ganho de ontem foi a demonstração de FORÃ?A de uma categoria que vem sofrendo agressoes de toda espécie, DENTRO E FORA DAS ESCOLAS. As últimas greves tiveram um perfil diferente das antigas, são para NÃ?O PERDER DIREITOS, mesmo assim amargamos alguns- nossas faltas só são abonadas pela saúde pública, e outros abusos. Ontem conseguimos MANTER OS 12% ENTRE NÍVEIS, uma demosnstração de força da categoria, mas... a incorporação da Nova Escola, R$435,00 em 7 parcelas anuais, ou seja, ele não vai pagar, é o próximo e ainda o sucessor deste. CONTINUAMOS O MOVIMENTO SIM, PELA INCORPORAÃ?Ã?O MAIS RÁPIDA E PELOS COLEGAS DE 40 HORAS QUE SEMPRE SÃ?O EXCLUIDOS DOS PLANOS. OBRIGADA

  • Avatar
    09/09/2009 08:55:22jorge LamAnônimo

    Essa é a vergonha Nacional e o Prsidente \molusco gasta milhões ema campanhas a favor da educação e a demagogia dos professores que merevcem melhores salários e aperfeiçoament.Também !! Um presidente analfabeto que não sabe escrever e nem falar só abobrinhas

  • Avatar
    09/09/2009 07:36:07Marlene Leocadio da SilvaAnônimo

    Olá Sidney. Quero fazer algumas considerações sobre esta maéria. Há alguns pontos obscuros. Não houve aumento de 12%, o que aconteceu na verdade foi um jogo extratégico do governo. Ele tentou diminuir os 12 % que havia entre os níveis para que a categoria reagisse e econseguisse passar o o decreto como ele queria. Deu certo, pois a cateçoria, preocupada em não perder o que já tinha, não percebeu que a perda era muito grande. O salário do professor é vergonhoso. A encorporação de 435 Reias durará alguns anos, ... O tumúltuo não foi provocado pelos profesores, Eu estava lá. Este foi o resultado de uma arma poderosa: a PALAVRA. Policiais treinados para calar a voz do povo, tomou a iniciativa de dispersar os manifestante que participavam do movimento ordeiramente. OBRIGADA.

  • Avatar
    09/09/2009 03:30:15kELII aBREUAnônimo

    Hoje, lágrimas de sangue foram derramadas nas escadarias da ALERJ! Professores num ato legítimo de reivindicações por direitos foram, lamentavelmente, tratados como badidos pela polícia militar nas escadarias da alerj (a mando do governador Sérgio Cabral e toda corja do PMDB). Mais uma vez a PM mostra a quem presta serviço, agindo como orgão repressor do Estado, trabalha contra a população que, supostamente, deveria defender, agredindo de forma vergonhosa os trabalhadores e trabalhadoras da rede estadual de educação do RJ. Chega de repressão, fora Cabral, fora PMDB! (SEPE Nova Friburgo)

  • Avatar
    09/09/2009 01:40:59C Ciro XavierAnônimo

    la se foram mais 40 reais chorados, que saem do meu bolso para comprar antibioticos e antiflamatorio. Ainda vou ter que marcar cirurgia. Será que eu sou professor mesmo? Isso é real? Ser professor aqui e uma especie de carma... Existem ouvidos para nossas vozes, meu Deus do Céu?

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.