SRZD


09/11/2009 21h27

Mais leves mas sem perder o luxo, Beija-Flor apresenta suas fantasias para 2010
Ramiro Costa

Foto: Ramiro CostaMais leves, de fato, elas estão. No entanto, as fantasias da Beija-Flor continuam mantendo o luxo, marca presente nos desfiles da escola nos últimos anos. As roupas da comunidade foram apresentadas na tarde desta segunda-feira, em um evento reservado para imprensa, no barracão da escola, na Cidade do Samba. Durante o encontro, não foi permitido o uso de máquinas fotográficas. Membro da comissão de carnaval, Alexandre Louzada contou que o pedido por fantasias mais leves foi feito pela diretoria da escola. Nos primeiros setores, muita pena para simbolizar os índios e suas lendas. Depois, a escola viaja ao Egito, com dourado. Na parte final, o prateado ganha espaço para retratar a construção de Brasília, cidade que será enredo da atual vice-campeã do carnaval carioca.

- Uma fantasia mais leve para o componente evoluir e com um visual novo - resumiu o diretor de carnaval, Laíla, sobre o estilo de fantasias que a escola levará à Avenida.

Até o ano passado, a Beija-Flor fazia sua tradicional festa dos protótipos. No entanto, para 2010, a comissão de carnaval pediu para que as fantasias não fossem mostradas, mantendo, assim, o segredo. Das 46 alas, 30 serão entregues à comunidade de Nilópolis, contando com ala das baianas, que serão divididas em três grupos (indígena, cristais e Catedral), e a bateria que representará os Dragões da Independência, com uma fantasia confortável para os ritmistas.

- A independência entra no enredo já que José Bonifácio, um dos homens mais importantes do processo, sugeriu o nome Brasília para a nova capital. Mas antes, já se discutia desde a época do Marquês de Pompal a mudança do centro do poder do país para o interior - conta Louzada.

Encenação da morte de Tiradentes no desfile

A comissão se preocupou em utilizar bastante um número variado de cores nas fantasias. Como o enredo passa por lendas indígenas, Egito, colonização, revoltas e desbravamentos até chegar à construção, em si, de Brasília, os carnavalescos deram um tom colorido à escola. Outro artifício usado para 2010,será novamente a teatralização. Louzada pontuou, onde haverá coreografia ao longo do desfile.

- Ala das crianças que representa os cupins, a valsa da inauguração de Brasília e a encenação da morte de Tiradentes até o local de enforcamento - diz Louzada, que inseriu a Inconfidência Mineira no enredo, pois este movimento era a favor da mudança da capital federal do Rio de Janeiro para Minas.

Comissão de Frente representará visão de Dom Bosco

Além das fantasias, ele adiantou um pouco sobre os carros alegóricos da escola. Este ano, todas as esculturas estão sendo feitas no andar de cima do barracão para evitar 'tumultos' no pátio, onde ficam os carros. O sempre esperado abre-alas será com menos plumas e 'mais imponente', com a utilização de ferro e bastante luz, segundo Louzada. A alegoria representará a "Lenda de Paranoá". Antes disso, a comissão de frente, dirigida por Gislaine Cavalcanti, representa a visão de Dom Bosco.  

- A Kayka Sabatella [transformista da comissão de frente de 2009] esse ano sai da comissão e será nossa Rainha do Cupinzal à frente das crianças - brinca Louzada.


Comentários
  • Avatar
    15/11/2009 23:38:39ClovisMembro SRZD desde 07/04/2009

    Engraçado como são as coisas aqui...Uns falam que gostavam da DEUSA DA PASSARELA do J30 com seus enredos mirabolante, que isso e que aquilo outro...só esquecem de falar que os melhores enredos da escola não deram porra nenhuma..muito mal um vice campeonato... Claro para esse povo digamos 'saudoso', é o que importa...nunca o campeonato..agora pergunte ao cara que vai quase que todos os dias na escola dar seu suor pela comunidade oque ele prefere....se o fantástico porém sem pretensão ao títuço ou se o comercial com direito a gozar no final..podem ter certeza que a resposta será uma só! Heellllloooo!!! estamos numa disputa de campeonato..e o que vale aqui é vencer...será que esqueceram desse pequeno detalhe???

  • Avatar
    14/11/2009 10:57:48Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    Falta à Beija Flor enredos descompromissados, mais soltos e irreverentes. Falta ao Renato, o mesmo. Uma viagem maluca, tipo, Tupinicópolis, Ziriguidum, mas, com forte dose de comédia, menos sobriedade. Seria bom ao Renato experimentar beber detergente no lugar de água. Talentoso como ele é, se perde um pouco daquela sisudez, sobriedade, enlouqueceria o carnaval carioca como fez João com Ratos e Urubus e Fernando Pinto com Tupinicópolis.

  • Avatar
    14/11/2009 10:57:21Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    Júlio, relaxe, rapaz. Não vi, em nenhum momento, provocação da sua parte. Quando disse que eu tinha a sensação de que a Mocidade desfilava todos os anos com as mesmas fantasias, alegorias e adereços, tenho certeza que você entendeu bem o que eu pretendia exemplificar. Ã? obvio que o Renato fugiu do lugar comum em algumas ocasiões. Mas, na maior parte das vezes ele usou e abusou da mesma receita e foi isso o que salientei. Como te disse, também admiro o Renato e o acho o melhor em atuação. Nenhum outro vai do moderno ao rústico (enredos afros, por exemplo) com tamanha maestria. Meu sonho era vê-lo na minha Beija. Aliás, meu só, não! Da grande maioria nilopolitana. Porém, não acho que o Renato esteja fora do bojo de profissionais que possuem uma estética, uma metodologia e uma forma que fuja do lugar comum e, sinceramente, nem sei se isso é possível. Joasinho Trinta, que você citou em outra postagem, possuía um estilo de concepção carnavalesca quase fixo. A diferença era que ele, por ser alguém inquieto, ousava em seus enredos e isso lhe permitia desfiles mais soltos. Mas, estavam lá os padrões alegóricos, as fantasias volumosas, a mesma organização de desfile. Vez por outra ele dava uma formidável surtada o que era fantástico. Mas sua linha de atuação permanecia evidente. Voltando ao Renato, quando vi o Império, em 2009, e ali a carnavalesca era a Márcia, o que eu via era o Renato em cada detalhe. Cores, acabamentos, os mesmos adereços, apenas tudo em tamanho reduzido e sem os néons. A Marca Renato é tão forte que a esposa e companheira de trabalho não consegue criar um estilo próprio. O que faz com que o Renato não fique tão parecido em seus carnavais são os enredos que o mesmo escolhe. Nisso eu sou obrigado a admitir que ele é fantástico e que a Beija Flor está presa a esse estilo enredo comercial o que lhe faz desfilar padronizada, já que quase sempre está abordando temas de lugares, sempre com uma mesma tônica

  • Avatar
    13/11/2009 14:10:50Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    vais dele na Mocidade, só alteravam-se a cartela cromática. O verde cítrico pelo colorido vibrante. Mas, já no abre alas daquele desfile, via-se a Mocidade da era Renato. Cana caiana possuía muita coisa do Fogo, inclusive, alegorias muito idênticas, embora os enredos destoassem. Renato Lage é um apaixonado por lage (huahuahuahuahua) e sempre que aborda um enredo que lhe permita colocar uma (Rio de Janeiro, por exemplo) lá estará ela com seus símbolos indefectíveis (banho de mangueira, criança soltando pipa, churrasquinho, etc.). em Candances, (alegorias e fantasias) vi muito do enredo Salgueiro, minha paixão, minha raiz - 50 anos de glórias, na parte em que esse enredo abordava a espiritualidade. O próprio enredo Tambor foi excessivamente repetitivo em fantasias e a alegorias. Digo repetitivo no estilo que em nada fugia à marca Renato Lage. Concordo, então, que ele seja, talvez, o profissional que menos se repete. Mas que a sua estética é um tanto obvia, lá isso é. Não deixa de ser uma estética obvia magnífica, isso eu não posso negar. No entanto, reconhece-se uma alegoria de Renato a quilômetros de distância.

  • Avatar
    13/11/2009 14:08:31Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    Em tempo: As linhas abaixo à terceira linha da sua postagem, 'enfoque'.

  • Avatar
    13/11/2009 14:06:57Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    Julio. Tão logo o Renato voltou ao Salgueiro e fez o seu segundo carnaval (2004 - A cana que aqui se planta, tudo dá, até energia... Álcool, o combustível do futuro") , o que ele mais sofreu foram críticas, vindas de todas as partes (público, mídia, profissionais do samba), de que havia transformado o Sal em Mocidade, tamanha a repetição das formas colocadas naquele desfile. Lembro-me que em suas declarações à imprensa ele soltava maribondos pela boca sempre que alguém mencionava este fato. Não sou louco em não admitir a genialidade desse profissional (pra mim, também, o melhor em atividade) e, principalmente, destaco a sua aversão aos enredos caça níqueis, o que eu aplaudo de pé. Porém, pra alguém com tamanha versatilidade, como você diz, o que o Renato fez por anos na Mocidade foi abusar de uma mesma concepção. Como eu disse, tinha-se a sensação de que a escola desfilava, guardava suas alegorias e fantasias e retornava no ano seguinte sem qualquer alteração e isso se deu por mais de dez anos. Não posso deixar de destacar a beleza e capricho do seu trabalho, mas, também, não posso esquecer de frisar que o mesmo, nessa ocasião, era excessivamente repetitivo. Não sei se nessa ocasião você postaria um texto sobre o Renato, cujo o tema fosse repetição, como você postou esse sobre a Beija Flor e, por favor, não são, essas minhas respostas, um revide ao seu posicionamento, mas, sim, uma defesa à minha agremiação adorada (que reconheço, está, também, abusando da â??fórmula mais do mesmoâ??). Porém, ao confrontar as suas idéias, eu tenho por finalidade te fazer ver (ou, ao menos, tentar te fazer ver) que esse equívoco se da, não somente na Beija, mas, como fosse uma peste, alastrou-se por entres todas as agremiações. Todos os carnavalescos possuem uma estética peculiar e, ainda que tentem fugir a ela, acabam, sempre, por evidenciá-las. Com o Renato a regra não se altera. Microcosmos era idêntico a alguns carnava

  • Avatar
    12/11/2009 20:49:03Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    Júlio Rezende. Desculpe, mas, seu discurso estava, até, impressionável, dada a linha de explanação (digamos assim) que você adotou. Quem lê de prima, até chega a pensar que você é um experiente e conceituado crítico de carnaval, tamanha a â??eloqüênciaâ?? (???) que você imprime em suas palavras. Porém, ao afirmar que Renato Lage não se repete, que é um gênio criador e que nos últimos anos o Salgueiro não repetiu a desgastada fórmula MAIS DO MESMO, aí, meu caro, tu derrapou feio! Toda a imponência do seu texto ruiu. Ficou sem graça!!!!! Que cisma é essa das pessoas com a Beija Flor? Porque apontar somente a esta escola como repetitiva quando todas as demais também o são? Queres fazer uma análise coerente, abra o leque, explane as falhas, não só da Beija, mas, de todas. O Salgueiro, que você defende como escola que nos últimos anos tem sido inovadora é tão, ou, mais repetitiva que a Beija. Mas, certamente é a sua escola de coração e, lógico, é melhor jogar pedra no telhado alheio que no seu, não é, amigo? Fala sério! Quem viu os desfiles do Salgueiro, como Candances, por exemplo, que trazia alegorias idênticas às de outras apresentações da escola vai rir dessa sua postagem. E, pelo amor de Deus, né, Júlio... existia algo mais DE JÁ VU que os desfiles da Mocidade e sua cromática verde cana, seus acabamentos em tons de alumínio e seus indefectíveis néons? Só por aí eu acho que seu texto perde a razão de ser!

  • Avatar
    11/11/2009 22:04:56marcodeMembro SRZD desde 30/09/2009

    ESTAVA PENSANDO SE DAVA MINHA VERSAO SOBRE AS RAZOES DE SE COLOCAR EGITO NO ENREDO DE UMA FORMA QUE ALGUMAS PESSOAS PODECEM ENTENDER, MAS SICERAMENTE TEM MUITA GENTE IGNORANTE E MERECEM CONTINUAR PASTANDO EM FUNÃ?AO DE SEUS FANATISMO QUE CEGA

  • Avatar
    11/11/2009 20:53:24MOREIRAMembro SRZD desde 11/05/2009

    Apenas fiz um comentário construtivo sobre as fantasias da Beija-Flor, não quiz ofender ninguém. A minha "escolinha" é o Salgueiro. Fantasias ostentando muito luxo são pesadas e geram desconforto para os desfilantes. Carlavalesco não desfila com fantasias, entretanto, não sabe o peso que elas possuem. Desfilo todos os anos no Salgueiro e posso afirmar que são desconfortáveis, muitas vezes sem poder mexer, paracendo um robô. Acredito que muitos aqui, amantes do carnaval como eu, já tiveram oportunidade de desfilar numa "escolinha". Sou amante do carnaval e torço para todas as escolas de samba e estou aqui para criticar como todos, afinal, o espaço é democrático.

  • Avatar
    11/11/2009 20:46:02MOREIRAMembro SRZD desde 11/05/2009

    Apenas fiz um comentário construtivo sobre as fantasias da Beija-Flor, não quiz ofender ninguém. A minha "escolinha" é o Salgueiro. Fantasias ostentando muito luxo são pesadas e geram desconforto para os desfilantes. Carlavalesco não desfila com fantasia, entretanto, não sabe o peso que elas possuem. Desfilo todos os anos no Salgueiro e posso afirmar que são desconfortáveis, muitas vezes sem poder mexer, paracendo um robô. Acredito que todos aqui, amantes do carnaval como eu, já teve a oportunidade de desfinar numa "escolinha". Sou amante do carnaval e torço para todas as escolas de samba e estou aqui para criticar como todos, afinal, o espaço é democrático.

  • Avatar
    11/11/2009 16:29:32Alex NogueiraMembro SRZD desde 29/06/2009

    Chico, a Portela realmente entende de "enredo fraco", falando da internet e com "sinopse-bate-papo", hehehe.... .... Sobre o Egito já explicaram muito bem. A Beija-Flor é cultura, luz e educação para muitas mentes pequenininhas e toscas que agridem como ultimo recurso deixado pela ignorância. Desconhecer não é crime, pecado é insistir na ignorância e fechar as portas para o conhecimento. Leiam a sinopse da Beija-Flor e pesquisem na internet.... Sou Candango, Calango e Beija-Flor!

  • Avatar
    11/11/2009 14:23:16Nil GuimarãesMembro SRZD desde 08/04/2009

    Julio rezende, você quer dizer são tantas as repetições EM ESCOLAS DO GRUPO ESPECIAL, não foi? Porque as pessoas têm a mania do se querer colocar a Beija Flor no hall de escola padronizada? O que foi que a Imperatriz fez durante todo o tempo que a Rosa ficou por lá? Era todo ano, lacinhos, sapatos a lá Luiz XV, realeza em cima de realeza! O que o Renato fez na Mocidade todo o tempo em que lá esteve? Néons e néons e néons. Ã?s vezes parecia que a escola guardava suas alegorias e fantasias e as repetia no ano seguinte! E no Salgueiro, o que vemos? Não é uma repetição constante? E Mangueira nos tempos das vacas magras? Eram sempre as calças de lycra verde e os colans rosas com uma ombreira de poucas plumas? Durante anos a fio foi assim! E a Tijuca e o estilo Paulo Barros que, mesmo com o afstamento do mesmo, manteve o mesmo padrão a lá Broadway? Mas, é só Beija Flor que se repete! Fala sério! Como essa agremiação incomoda!!!!

  • Avatar
    11/11/2009 10:41:31ClovisMembro SRZD desde 07/04/2009

    Concordo em termos com o Julio! Mas a DEUSA DA PASSARELA apenas está repetind a fórmula que lh proporciona o campeonato ou na pio das hipóteses vice ou 3º. Não acho que esteja errada..quem aqui não gostaria de ter essa fórmula apra sempr ficar no topo da lista? Agora, cabe as outras escola inovar e o que eu vejo na atualidade é uma busca frenética do PBFQ (Padrão Beija-flor de Qualidade). Escolas aumentando abre-alas, investindo mais nas comunidades, comissões de carnaval e etc....

  • Avatar
    10/11/2009 21:23:55PEDRO PARÃ?DIA PARÃ?DIAMembro SRZD desde 10/11/2009

    OLÁ AMINGUINHOS INTERNAUTAS HOJE VOU MANDAR A PARODIA DO SAMBA DA MODA DO TIGRE!!!!DEPOIS MANDAREI DAS COI-RMÃ?S !BEIJÃ?O AOS MEUS FÃ?S! SONHAR, O FINGIMENTO DO ARTISTA EU TÃ? POUSANDO DE SAMBISTA NA SOMBRA DE UM COMPOSITOR A MUITO TEMPO EU QUIS FAZER UM SAMBA UM DESEJO DE CRIANÃ?A, MEU PAI FALOU PRA MIM NÃ?O DÁ MAIS EU QUE SOU TEIMOSO NÃ?O DESISTO FUI BUSCANDO OUTROS CAMINHOS DE UM DIA CONQUISTAR O TEMPO Ã? UM RELÃ?GIO QUE NÃ?O PARA MEU SAMBA NÃ?O SAIU DE GRAÃ?A ENTÃ?O EU RESOLVI GASTAR FUI DO OUTRO LADO CONVERSAR ACERTAR TUDO E ESPERAR A SAMBA VIR NA MINHA MÃ?O EU NÃ?O NASCI COM INSPIRAÃ?Ã?O EU SOU! SOU, DEPENDENTE DA MINHA ARTE EU SOU O COMPRADOR DESSA FOLIA JÁ FECHEI NOVO CONTRATO ANO QUE VEM JÁ ESTOU NA FITA VENCER COMEMORAR NA MAIOR ZUAÃ?Ã?O E AOS POETAS DEIXO O MEU PERDÃ?O NA AVENIDA VOU CANTAR ME ESGUELAR MOSTRAR BRASILIDADE DESCULPE NÃ?O FOI POR MAL O SAMBA Ã? MEU DE VERDADE COMPRANDO SAMBA EU VOU NÃ?O SOU O AUTOR, MAS TÃ? NA MODA A LETRA QUE NILOPOLIS MANDOU O DINHEIRO JÁ FOI PRA CONTA

  • Avatar
    10/11/2009 21:23:07PEDRO PARÃ?DIA PARÃ?DIAMembro SRZD desde 10/11/2009

    OLÁ AMINGUINHOS INTERNAUTAS HOJE VOU MANDAR A PARODIA DO SAMBA DA MODA DO TIGRE!!!!DEPOIS MANDAREI DAS COI-RMÃ?S !BEIJÃ?O AOS MEUS FÃ?S! SONHAR, O FINGIMENTO DO ARTISTA EU TÃ? POUSANDO DE SAMBISTA NA SOMBRA DE UM COMPOSITOR A MUITO TEMPO EU QUIS FAZER UM SAMBA UM DESEJO DE CRIANÃ?A, MEU PAI FALOU PRA MIM NÃ?O DÁ MAIS EU QUE SOU TEIMOSO NÃ?O DESISTO FUI BUSCANDO OUTROS CAMINHOS DE UM DIA CONQUISTAR O TEMPO Ã? UM RELÃ?GIO QUE NÃ?O PARA MEU SAMBA NÃ?O SAIU DE GRAÃ?A ENTÃ?O EU RESOLVI GASTAR FUI DO OUTRO LADO CONVERSAR ACERTAR TUDO E ESPERAR A SAMBA VIR NA MINHA MÃ?O EU NÃ?O NASCI COM INSPIRAÃ?Ã?O EU SOU! SOU, DEPENDENTE DA MINHA ARTE EU SOU O COMPRADOR DESSA FOLIA JÁ FECHEI NOVO CONTRATO ANO QUE VEM JÁ ESTOU NA FITA VENCER COMEMORAR NA MAIOR ZUAÃ?Ã?O E AOS POETAS DEIXO O MEU PERDÃ?O NA AVENIDA VOU CANTAR ME ESGUELAR MOSTRAR BRASILIDADE DESCULPE NÃ?O FOI POR MAL O SAMBA Ã? MEU DE VERDADE COMPRANDO SAMBA EU VOU NÃ?O SOU O AUTOR, MAS TÃ? NA MODA A LETRA QUE NILOPOLIS MANDOU O DINHEIRO JÁ FOI PRA CONTA

Comentar