SRZD


19/01/2010 17h07

Padres, prostitutas e professores vão retratar os Candangos na Beija-Flor
Ramiro Costa

Padres, prostitutas e professores vão retratar saga dos Candangos na Beija-Flor. Foto: Ramiro CostaFalar de Brasília, sem falar de Brasília dos corredores do Congresso Nacional, do Palácio do Planalto e da Esplanada dos Ministérios. Foi essa a opção que Beija-Flor escolheu para contar a história da construção da capital federal do país. Recebendo o patrocínio de R$ 3 milhões do governo do Distrito Federal - investigado por uma série de irregularidades - a escola de Nilópolis fará um carnaval despolitizado. O único presidente que receberá uma citação especial durante o enredo será Juscelino Kubitschek, que ordenou o início das obras da cidade em 1956. * Veja galeria de fotos do barracão da Beija-Flor

Vídeo: Alexandre Louzada explica enredo da Beija-Flor

Para a construção do plano piloto, no começo foram necessárias mais de 65 mil pessoas para levantar prédios, construir largas avenidas, quadras, viadutos, canalização da água. Esses operários, vindos principalmente de Minas Gerais e do Nordeste, ganharam o nome de Candangos. Eles serão representados numa ala coreografada pelo experiente Hilton Castro, responsável pela teatralização de carros e alas da escola. Durante a visita do SRZD-Carnavalesco ao barracão da Beija-Flor, o carnavalesco Alexandre Louzada, que pertence à Comissão de Carnaval, composta ainda por Fran Sérgio, Bira e Laíla, contou os preparativos do desfile de 2010.

- Era quase que um acampamento tipo faroeste americano. Vieram também gaúchos com carroças e pessoas que eram fanáticas por Juscelino e que tinham a promessa de ganhar um 'lote' após o término das obras. A ala vai ter gente com carrinho de mão levando crianças, garoto de bicicleta, quadro negro com o professor, padre, lavadeira, prostituta. São quase duzentas pessoas encenando o cotidiano daquele lugar no meio do nada - disse Louzada.

 
Neste mesmo setor, o quinto da escola, outra ala coreografada vai simular o baile de inauguração da Capital Federal. Já a comissão de frente comandada, mais uma vez por Ghislaine Cavalcante, vai representar a visão de Dom Bosco. Ele teria imaginado o local da nova capital do país ainda no século XIX. O grupo virá fantasiado de "Dádivas Concedidas pelo Criador num Sonho Divinal". Segundo fontes da escola, o elemento cenográfico que será usado durante a apresentação será a Catedral de Brasília. Para evitar qualquer tipo de polêmica, a imagem de Dom Bosco - canonizado mais tarde pela Igreja Católica - não será utilizada pelos integrantes da comissão de frente. Em seu abre-alas, a Beija-Flor conta a história dos índios goyases e a lenda de Paranoá.   

- Tupã ordena que um pequeno índio (Paranoá) fosse confinado em viver no cerrado, solitário e vigiado por Jaci, a Deusa Lua. Ele foi vigiado por ela até seu crescimento. É medida que ele vai crescendo, Jaci se apaixona por ele. Mas ela não sabia que Tupã tinha um plano especial : ele enviaria uma mulher alada para encantar Paranoá. Enciumada, Jaci se transforma numa bela mulher e visita o índio. Mas Tupã não permite esse amor e condena Jaci a voltar pro céu e nunca mais poder voltar à Terra. E ela se debulha em lágrimas e o índio idem, e dessas lágrimas nasce o lago de Paranoá. E a índia decepcionada pelo abraço que ela não conseguiu dar em seu amado, se deita sobre o solo do cerrado.

Vídeo: Carnavalesco explica ala dos candangos

O setor seguinte traz a cidade de Aketaton, possível inspiração de Brasília, construída pelos egípcios 3,5 mil anos A.C. Assim como nossa capital, foi criado um lago artificial, a cidade demorou também quatro anos para ser construída e havia um local onde se concentrava o centro do poder, como a Esplanada dos Ministérios. O Brasil volta ao enredo com os bandeirantes e a matança dos índios até chegar ao movimento da independência, já que um dos líderes do movimento José Bonifácio sugeriu o nome de Brasília para ser a capital do país. Ainda neste setor, uma encenação da morte de Tiradentes já está sendo planejada, mas ainda é um grande mistério. As informações dão conta que as 56 pessoas que fazem parte da teatralização vão simular a trajetória de Tirandentes até o local de seu enforcamento. Mais adiante, a quarta alegoria revive a missão Crulls que identificou o melhor local do cerrado para delimitar o quadrilátero da nova capital no final do século XIX.

- A missão foi chefiada pelo cientista Louis Crulls, que dirigia o Observatório Nacional. Ele reuniu 22 cientistas, que partem para uma marcha ao oeste até chegar a um lugar, onde seria o melhor lugar para construção da capital, que tivesse água e uma boa formação geológica - conta Louzada sobre o carro que terá figuras de animais do cerrado.

Com a cidade construída é o momento em que a escola presta uma homenagem ao mestre da arquitetura Oscar Niemeyer. Alas fazem referência aos Palácios do Planalto, Alvorada e Itamaraty, a Catedral e ao Congresso Nacional. Mas segundo Louzada, as fantasias não terão a imagem dos prédios na íntegra. Alguns detalhes nas construções foram utilizados para decorar as roupas.  No último setor, a Beija-Flor cita Brasília como um grande caldeirão cultural.

- O êxodo do caboclo trouxe um encontro de culturas, uma torre de babel. Você indo pra uma cidade-satélite encontra o bumba meu boi, o samba, o candomblé. Brasília para nós não tem sotaque, é uma mistura. É a capital do Rock Nacional e do conhecido festival de cinema - finaliza Louzada que chegou a conversar com o filho de Renato Russo, falecido em 1996, vítima de AIDS - Ele até me deu um livro sobre a história do pai, mas samba não é muito a cara dele. Ele até gostou do projeto, mas acho que não vai desfilar.

 


Comentários
  • Avatar
    29/12/2011 10:02:48Andrey Beija-FlorMembro SRZD desde 08/12/2011

    xxxxxxxxxxx

  • Avatar
    22/01/2010 14:59:33DANIELMembro SRZD desde 21/07/2009

    Faz-me rir!

  • Avatar
    21/01/2010 21:38:51Faz-me rirMembro SRZD desde 30/12/2009

    Estou apenas a dizer que a escola esse ano errou a mão e feio, acontece, e é muita ingenuidade achar que esse tipo de coisa não acontece com a BF. E mais, critico sim aquilo que penso deva ser criticado, e não serão os mantras repetidos aqui (a bf é isso) (a BF é aquilo) (A BF é melhor que minha namorada!) que me farão pensar o contrário, e desculpe se não agrado, mas nunca tive a intenção de agradar a ninguém!

  • Avatar
    21/01/2010 21:34:06Faz-me rirMembro SRZD desde 30/12/2009

    é meu caro colega joão, assim como o Pamplona eu vivo num mundinho só meu...Eu e o Pamplona tbm temos em comum o fato de pensarmos por nós mesmos. Eu não preciso que a Imprensa "especializada" pense por mim. Muitas vezes concordo com o Pamplona, mas dessa vez não. E outra coisa, não tenho dor de cotovelo nenhuma com a BF, se ela vai ganhar com extrema facilidade o carnaval do Grupo Especial...bom pra ela! Minha escola é que não vai ser, pois ela não disputa esse grupo, então não tenho porque ter nada contra a BF.

  • Avatar
    21/01/2010 21:14:18ClovisMembro SRZD desde 07/04/2009

    ai,ai...acho tão excitante a ponta do nariz desse tamanduá...toda vez que eu vejo, me sobe um calor pelas entranhas...tudo de bom..ainda mais o movimento que será feito na avenida...ainda bem que o meu setor é bem na frente..só depois de desfiolar que eu verei ele atuando..kkkkkkkkkkkkkkkk

  • Avatar
    21/01/2010 19:17:50joão paulo de andradeMembro SRZD desde 26/12/2009

    faz-me-rir uma coisa é ter opinião propria, outra a viver em um mundinho imaginário, suas opiniões não tem nada a ver um dos grandes carnavalescos da história que é o pamplona falou que o unico samba do ano que realmente é uma samba é o da beija flor o reeeessstoooo é marchinha, vi fotos recentes no uol e pela parte plastica a beija ganhará com extreeeeeeema folga então deixa de ter dor de cotovelo e acorde para a realidade.

  • Avatar
    21/01/2010 14:43:34[email protected]@vio2010Membro SRZD desde 10/01/2010

    Alice no Brasil das Maravilhas, Todo mundo Nesceu Nú, Ratos e Urubus Larguem minha Fantasia, A lapa de Adão e Eva, Luzes da Ribalta... Conseguiriam tal façanha desmembrar e simplificar tais enredos.... Beija-Flor é controversa, Inovadora, Icônica, divisora de águas no carnaval do Rio de Janeiro, Muito duro admitir (os de má vontade) mas é verdade..........

  • Avatar
    21/01/2010 14:21:57[email protected]@vio2010Membro SRZD desde 10/01/2010

    Se os Srs. Sabem tudo descem a lenha nos carnavais da Beija Atualmente, o que iriam dizer sobre os Desfiles Visionários e Abstratos de Joãozinho Trinta??? heim!

  • Avatar
    21/01/2010 14:08:18[email protected]@vio2010Membro SRZD desde 10/01/2010

    Ã? duro admitir que a Beija-Flor esta sempre pronta a ganhar um carnaval. O que resta é o Chororô de outrem para tentar desmerecer e achar algo que rebaixe a soberania e qualidade que a escola faz no carnaval. Pelo que tenho lido até agora , parece que a Beija-Flor tem a obrigação de dar uma aula de mestrado para as pessoas em relação a Brasilia, fato que seria um desfile com 3 horas de duração e infinitamente chato. Torço ainda que vejam esse desfile com prisma carnavalesco é ter a certeza que o que impera é a diversão e a alegria. Para muitos seria interessante que a escola falasse de políticos, falacatruas, mensalões, dinheiro na cueca e afins...Creio que o senhor Anísio esta debruçado no seu computador queimando neurônios para achar defeitos na BF , mas o que só consegue é expor um opinião pessoal e muito limitada do que possa ser o desfila da escola.

  • Avatar
    21/01/2010 11:23:03Faz-me rirMembro SRZD desde 30/12/2009

    Eu hein!!!!!! O que a vila tem a ver com a história?????? Acho que meu comentário foi lido apenas en passant porque o que eu disse é que seria ridículo incluir jamelão no enredo da vila pela mera coincidência de o Jamelão tbm ter morado em vila isabel. Ou vc acha isso coerente???? Bem se o professor quiser me indicar quais pontos devo estudar, terei o prazer de dedicar minha atenção pois o acúmulo de conhecimento é uma das mais preciosas capacidades do ser humano. MAs ao criticar, leia, ao menos com atenção o comentário daquele que critica, pois, uma crítica dissociada do comentário exposto é no mínimo deselegante!

  • Avatar
    21/01/2010 11:18:56DANIELMembro SRZD desde 21/07/2009

    Anísio, a Beija não recebeu enredo pronto, pelo contrário, a escola só apresentaria o enredo se fosse preparado por ela, daí o motivo pelo qual o enredo não está focado só em política. A Beija, fará seu desfile estéticamente perfeito, surpreendente, glamoroso e como seu samba é um poema, então ela, a Deusa, encenará a Capital com o que ela é de melhor; retribuirá para todos que nasceram, moram e vivem na Capital, em forma de presente que vai emocionar.

  • Avatar
    21/01/2010 11:02:11DANIELMembro SRZD desde 21/07/2009

    Além de fútil, faz-me rir é ridículo. Será que ele está pensando que a Vila, só terá a figura de Noel na avenida? Onde ficam seus grandes amigos com quem compartilhou a sua vida, compositores, familiares, lugres, etc..Meu caro, desde que o mundo existe, a convivência se fez nessária. Para você que não sabe, os diferentes grupos sociais sempre se relacionaram, pacificamente ou em conflitos. Me desculpe mas não vou mais responder suas abordagens incoerentes e destorcidas. Já ouviu falar em senso comum? Sugiro que estude bastante.

  • Avatar
    21/01/2010 11:01:11Faz-me rirMembro SRZD desde 30/12/2009

    Outra coisa, por honestidade, devo confessar a vcs que a minha escola é a em cima da hora, que por fatores outros não tem recursos para disputar de igual para igual com as escolas do grupo especial, mas não me importo pois estou convicto da importancia que a minha escola ainda exerce no cenário carnavalesco atual. Já houve um tempo em sua escola não podia contra a minha, mas isso não tornava o sambista de cavalcanti mais sambista que o sambista de nilópolis, o mesmo não acontecerá agora. E é por essa razão que digo com muita tranquilidade que não tenho o menor interesse em "Derrubar" esta ou aquela escola, critico a todas nos seus aspectos positivos e negativos de acordo com a minha consciência, que é minha, e não da mídia "especializada". Mas é como disse: A paixão do jovem sambista pela sua agremiação faz com que se deturpe as visoes das mentes mais aclaradas. E cabe a vcs escolher dentre as opiniões as que mais lhes agradam, cabe a vcs escolher o nível de satisfação da escola de vcs. Se eu estivesse lá, não acharia bom, mas se vcs acham isso o suprassumo...Ã? com vcs!

  • Avatar
    21/01/2010 10:53:17Faz-me rirMembro SRZD desde 30/12/2009

    prezados colegas Valneir e Amaury, primeiro obrigado por me ensinarem uma palavra nova: "esteta" - quem prima pela estética - embora eu não concorde com a qualificação, é sempre bom aprender coisas novas. Segundo, como eu disse, não escrevo para convencer a ninguém, não é a mídia "especializada" quem mais me influencia, penso sozinho, tenho o meu próprio senso crítico e não preciso deles para pensar por mim, leva tempo para percebermos isso, mas um dia, todos chegaremos lá. Terceiro, como eu disse anteriormente, se querem manter um debate linear, respondam as ingadações do "oponente" com contra-argumentos, e não com ataques de ordem pessoal tendentes à reduzir a pessoa dele, nem, muito menos atribuindo a eles adjetivos como "esteta" e "Comédia", isso não faz do texto de vcs algo muito convincente.

  • Avatar
    21/01/2010 08:20:49AnísioMembro SRZD desde 22/09/2009

    Nil, Clovis e Júlio Rezende, a minha colaboração neste sentido poderia ser melhor aproveitada quando do início da montagem da sinopse. Agora de nada adianta... mas o que eu tenho criticado é a forma de apresentar a cidade. A escola aceitou um enredo engessado e foge de suas características, sendo obrigada a enquadrar-se ao que foi-lhe "imposto". E com relação a Brasília e a sua apresentação pela Dama da Passarela, vejo isso como uma Aula de Moral e Cívica, Desfile de 7 de Setembro... Doutrina. Em se tratando de carnaval, mesmo que a escola tenha aceito tal tema, pensei que da cabeça do carnavalesco houvesse uma explosão de idéias novas sobre a visão da cidade, até para o bem da própria. Não havendo isso, teremos de assistir na avenida o mesmo que lemos em livros didáticos, ou seja, esta coisa chata de obras, política e ainda acompanhada de fatos que antecedem sua construção que em nada interessa a quem está no carnaval. Eu, particularmente, se autor do projeto faria o percurso inverso e enfatizaria os dias atuais, os 50 anos, e posteriormente iria decrescendo nesta história com a poucas referências à sua construção. A questão é: O que é Brasília hoje, sem a política, sua construção, Jk, Niemayer e etc...??? Ã? tão somente um caldeirão cultural??? Taí um enredo que daria samba. Esta Brasília que se propõem a mostrar engessa também a escola.

Comentar