SRZD


26/01/2010 04h35

'Cabine de jurados do lado esquerdo do Sambódromo prejudica quesito Bateria'
Geissa Evaristo

Odilon Costa, um dos mais conceituados mestres de bateria do Rio de Janeiro e que no carnaval 2010 não estará defendendo nenhuma agremiação, explica para o SRZD-Carnavalesco as propostas de alterações que deveriam ser feitas na cabine de jurados.

Com 51 anos, quarenta deles dedicados ao samba, o ilustre e conceituado ídolo da grande maioria dos mestres de bateria, que já passou pela União da Ilha, Beija-Flor de Nilópolis, Salgueiro e Grande Rio, por onde comandou os ritmistas nos últimos dez anos, revela que as cabines de jurados posicionadas ao lado esquerdo da Passarela do Samba estão mal localizadas por estarem distantes da Avenida, o que faz com que fatores como o vento, por exemplo, prejudiquem o julgamento correto dos jurados posicionados nessa cabine.
 
 - O julgador do lado esquerdo do sentido de desfile, fica um pouco longe da Avenida. Ele depende do áudio da execução da bateria para fazer o julgamento, e essa distância prejudica. Se bater um vento, por exemplo, já altera esse áudio. No lado direito, o julgador fica posicionado corretamente acima da bateria, o lado esquerdo deveria ser da mesma forma. É necessário que seja incluída essa mudança na reforma do Sambódromo. Teve um ano os julgadores reclamaram do tamborim de todas as escolas, então resolvi investigar e está claro que o problema é a localização dessas cabines.
 
Odilon aponta também o box de bateria como outro fator prejudicial ao som da bateria. - Existem caixas de som dentro do recuo e o carro de som fica posicionado à frente da bateria. Essa distância já dá uma diferença de som. Os ritmistas que estão localizados no final da bateria escutam uma coisa, os que estão na frente, escutam outra. O som do carro de som é um e o do box é outro. Por esse motivo há oscilação na bateria durante o recuo.
 
Sobre as características das baterias
 
Outro fator que está sendo esquecido, segundo mestre Odilon, é a característica que tem a bateria de cada escola de samba. As baterias estão perdendo as suas características e isso não é evolução, na opinião do mestre. Pra ele, as identidades das baterias estão ficando todas iguais. Estão todos seguindo uma diretriz e isso não é legal para o carnaval, pois todos querem colocar a bateria com a afinação de estúdio.
 
- O samba está evoluindo de uma maneira que eu não gosto. As baterias estão perdendo as suas características e isso não é legal. O Salgueiro, por exemplo, era conhecido por sua afinação baixa. Os surdos eram baixos, a gente falava que estavam desapertados, mas era o Salgueiro. De costas se sabia qual bateria estava tocando na Avenida pela afinação dos surdos e pelo toque das caixas. A afinação da Mocidade era ao contrário. Teve um ano que um rapaz que era da Mocidade e foi para outro grupo e perdeu ponto porque a afinação estava ao contrário. Não pode ser de acordo com o gosto dele, e sim com a característica da escola. Deveria perder ponto a bateria que fugisse da sua característica e não de acordo com o gosto do jurado.
 
Metrônomo
 
Sobre o tão polêmico instrumento que mede o andamento musical, Odilon é categórico: - Metrônomo não é quesito de julgamento e julgamento não é gosto. O jurado tem que julgar a execução e sustentação da bateria, se está certa ou se está errada. Metrônomo foi elaborado para ser usado numa tradição europeia. Nosso samba veio da África e não existe metrônomo para cadência africana. O samba antes de ser ritmo é expressão corporal.
 
Para o mestre, se o batimento ideal tivesse que ser medido no aparelho esse andamento seria 138 BPM e ainda sim estaria corrido. - Samba não se mede em aparelho e sim no ouvido. Metrônomo nunca deveria ter sido utilizado no samba, pois bateria não é música mecânica. Não há como manter o mesmo andamento do início ao fim. Quando se executa uma paradinha, por exemplo, o ritmo volta na frente e isso é absolutamente normal por conta da energia do ritmista que está vibrando porque deu tudo certo e acabou "metendo a mão" no instrumento, o que não pode acontecer é voltar exageradamente. A oscilação de ritmo é normal, um andamento fixo na Avenida é quase impossível, pois quem está tocando ali é um ser humano. Cavaquinho, por exemplo, começa a mil por hora e no meio do caminho já está todo mundo parando. Alguém está medindo esse andamento? - pergunta.
 
Cadência
 
Considerado o mestre da cadência, Odilon declara que a 'correria do ritmo' não é culpa exclusivamente do diretor de bateria. 
- Não é o mestre de bateria que é totalmente culpado por isso. Harmonia é cavaco, violão e bateria. Sempre tem um diretor de harmonia mandando colocar pra frente, um presidente mandando colocar pra frente, um sete cordas mandando aumentar o som... Assim fica complicado. O samba está se tornando robótico. A baiana consegue girar e o passista sambar com essa correria toda? É muito fácil colocar a bateria na frente, diíficil é colocá-la no ponto. No ponto ideal de se ouvir todos os instrumentos que compõe uma bateria.
 
Fantasia
 
Odilon também dá a sua opnião sobre as fantasias escolhidas pelo carnavalescos para vestir a bateria. - No desfile, o ritmista se preocupa com o ritmo, com as convenções e com a fantasia que carregará na Avenida. A bateria é a primeira a entrar e a última a sair da Avenida. O ritmista carrega um surdão e mais cinco quilos de fantasia. Hoje em dia está complicado diretor de bateria poder opinar sobre a fantasia com o carnavalesco, que 'esquece' e os enche de roupa, chapéu, ferro e até rabo - brincou.
 
Atualmente, mestre Odilon está ministrando palestras para jurados da TV de Vitória, dando aulas em Fortaleza, Espírito Santo e no Rio de Janeiro. No carnaval 2010 estará num camarote da Sapucaí 'julgando' as baterias para colocar em seu futuro livro "De Mestre André à Mestre Odilon". Recebeu e ainda recebe convites de muitas agremiações para retornar ao carnaval e ainda não sabe se em 2011 está novamente na Avenida.
 
- Estou adorando ficar desempregado (risos). Me inscrevi até num curso de culinária que pretendia fazer há muito tempo. Estou até mais magro e bronzeado. Não sei se pretendo voltar ao carnaval em 2011. Os convites são muitos, até lá vou cozinhando...


Comentários
  • Avatar
    30/01/2010 17:34:35Japa da PortelaMembro SRZD desde 30/01/2010

    Concordo ....a fantasia da bateria precisa ser realmente mais leve.Eu desfilei muitos anos na bateria da Portela...e sei muito bem o q é aguentar o peso de um surdo de 1º, a roupa extremamente pesada, fechada que esses carnavalescos bolam pra bateria.. acho que algum diretor de bateria deveria ter uma conversa com os carnavalescos sobre a fantasia da bateria..mas eles têm medo de perder o cargo de diretor de bateria.Por isso, se calam...tem q ter coragem!!! mete a cara!!! E em relação a cadência do samba da bateria, só a gente e mais meia dúzia que queremos ....pois visito a tdas as escolas , e vejo tanto diretor qto ritmista querendo correr com o andamento, preocupados com o metronomo.

  • Avatar
    30/01/2010 17:24:00changMembro SRZD desde 30/01/2010

    concordp

  • Avatar
    30/01/2010 15:23:17Mila SchiavoMembro SRZD desde 30/01/2010

    Mestre Odilon é uma assumidade no meio do samba e deveria ser ouvido pelas diretorias das Escolas de Samba e pela LIESA também. Essa sinergia entre todos especialistas é muito importante para que se melhore cada dia mais o carnaval do Rio. Pena que não teremos nosso mestre na avenida esse ano. Parabéns Odilon, sou sua fã!

  • Avatar
    29/01/2010 19:18:24NegrusaMembro SRZD desde 15/09/2009

    Parabéns mestre Odilon pela sua entrevista!!!!!! e ainda um dos mais conceituados mestres de bateria...

  • Avatar
    29/01/2010 17:07:00jefferson pimenta de limaMembro SRZD desde 28/07/2009

    Mestre Odilon para comentarista de carnaval nos grupos de acesso e especial. URGENTE..............

  • Avatar
    29/01/2010 13:18:49Isabel ReisMembro SRZD desde 29/01/2010

    Valeu mestreeeeeeeeee!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! V ocê é o caraaaaaaaaaa. O Mestre dos Mestres. Um abraço Bel. Rumo ao Rio Carioca 30/01/2010.

  • Avatar
    29/01/2010 12:31:01renato dos anjosMembro SRZD desde 24/10/2009

    Pow tenho o prazer de ter desfilado com Odilon na grande rio no ano de 2001 no enredo Gentileza foi presição o tempo todo inesqueçivel tudo q ele falou eu assino em baixo por exemplo sou Vila Isabel tenho anos na minha bateria mas me afastei por naum concordar com certas mudanças Ritmicas dentro da bateria uma bateria com vida própia tem q aver um pouco mesnos vaidade do mestre átila em saber q império é uma coisa Vila é outra e .

  • Avatar
    29/01/2010 10:55:00JhonyMembro SRZD desde 29/01/2010

    Nosso Amigo aii Leandro Soares lembrou do Nosso querido Waguininho que nois deixou . Wagner Começou como Diretor de Bateria da Grande Rio heim 2007 ao Convite do nosso querido Mestre Odilon . Wagner deixou saudades e eu como um de Seus Garotos vou dar seguimento ao que ele e Mestre Odilon me ensinaram. E Farei novos Mestres Waguinho assim como ele me Fez Mestre Jhony...

  • Avatar
    29/01/2010 00:23:51Carlos Alexandre Silva LinharesMembro SRZD desde 07/04/2009

    Odilon deveria ser jurado de Bateria na Lesga e na Liesa. E ainda dar aulas para os outros jurados do mesmo quesito. Ele sabe tudo e mais um pouco.

  • Avatar
    28/01/2010 21:42:56leila amorimMembro SRZD desde 28/01/2010

    valeu...Odilon, é muitosa bom saber que voçe está participando do projeto da reforma da sapucaí, soube da sua entrevista e acho que está certo.Somos sambista e afinal de conta nossa história na marques de sapucaí e no carnaval é bem antiga,com isso nos trás muita experiencia, valeu mano...abraço do seu velho Mug.

  • Avatar
    28/01/2010 14:32:26orlandoMembro SRZD desde 28/01/2010

    odilon diz pra eles que isso foi so uma palinha.

  • Avatar
    28/01/2010 11:39:01AntenadoMembro SRZD desde 16/04/2009

    Alguém aí embaixo usou o adjetivo certo. Não é Mestre e sim Maestro Odilon. Estando na avenida ou não ele é a grande referência quando o assunto é bateria de escola de samba. Vibro quando o vejo defendendo a identidade das baterias, o toque diferenciado das caixas, o uso comedido de instrumentos de realce, como os tamborins, e por aí vai. Adorei também ele ter tocado nesse assunto de audição das baterias dentro daquele curral chamado de sambódromo. Enfim, ele está aí para nos ensinar e mostrar o caminho a ser seguido.

  • Avatar
    28/01/2010 10:07:41ClovisMembro SRZD desde 07/04/2009

    Então quer dizer que a 'Nova Marques" vai mesmo sair do papel depois do desfile desse ano? Que bom, ainda mais se tiver pessoas competentes para auxiliar os engenheiros como o Odilon e outros. Vamos torcer para que essa nova avenida seja realmente funcional e não um 'buraco' como dizia a saudosa Dna. Zica.

  • Avatar
    28/01/2010 02:02:50wbsfilhoMembro SRZD desde 13/04/2009

    Vulva Pavuna: Educação engloba os processos de ensinar e aprender. Ã? um fenômeno observado em qualquer sociedade e nos grupos constitutivos destas, responsável pela sua manutenção e perpetuação a partir da transposição, às gerações que se seguem, dos modos culturais de ser, estar e agir necessários à convivência e ao ajustamento de um membro no seu grupo ou sociedade. Enquanto processo de sociabilização, a educação é exercida nos diversos espaços de convívio social, seja para a adequação do indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos à sociedade. Nesse sentido, educação coincide com os conceitos de socialização e endoculturação.

  • Avatar
    28/01/2010 01:49:12wbsfilhoMembro SRZD desde 13/04/2009

    Vulva Pavuna: A ILHA DE PAQUETÁ Um bairro da cidade que é uma ilha. Uma Ilha da Baía da Guanabara que é um bairro. Ã?nico. Tão antigo quanto a cidade. Totalmente transformado em Área de Preservação do Ambiente Cultural - APAC, rico em lendas e importantes passagens na formação cultural da Cidade e mesmo do Império e da República. Possuidor de um imenso e importante acervo arquitetônico e paisagístico, com diversos bens Tombados e Preservados e um estilo de vida comunitário que o isolamento geográfico guardou com carinho.

Comentar