SRZD


12/08/2010 10h37

Universidade Estácio de Sá está à venda
Redação SRZD

Os fundadores da Universidade Estácio de Sá, João Uchôa Cavalcanti Netto, e sua filha Monique Uchôa Cavalcanti de Vasconcelos, colocaram integralmente à venda os 41,7% que detêm do capital social da empresa. Continuará sendo sócia da companhia a GP Investimentos, à frente na gestão do negócio. De acordo com fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Estácio Participações fará oferta pública primária e secundária dos papéis ordinários da empresa.

O pedido de análise de registro de oferta pública de ações da Estácio Participações S.A. foi protocolado nesta quarta-feira na Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). No primeiro lote, serão postos à venda 32.803.240 ações ordinárias, que já estão poder dos vendedores. Caso haja demanda para a comercialização de mais um lote, serão colocados no mercado mais 3.280.324 papéis nas mesmas condições.

A Estácio tem cerca de 215 mil alunos no Brasil e até no Paraguai. A rede conta com duas universidades, 27 faculdades, com 77 campi, no Rio de Janeiro e em outros 15 estados brasileiros. Há ainda uma universidade no Paraguai com 2 mil alunos. Segundo balanço publicado nesta segunda-feira, a Estácio registrou lucro líquido de $ 7,8 milhões no segundo trimestre, acumulando um lucro líquido de R$ 36,7 milhões no primeiro semestre de 2010.

No pregão desta quarta-feira da Bolsa de Valores de São Paulo as ações ON da Estácio fecharam em queda e 9,45%, cotada a R$ 19,65. Já no mês o papel acumula perda de 6,38%. Segundo a Estácio, que não pode comentar a venda por estar em período de silêncio, a oferta de ações foi aprovara em reunião do Conselho de Administração da Companhia.



Comentários
  • Avatar
    26/06/2012 11:25:59Luciano Marques GodinhoAnônimo

    Prezados senhores Necessitamos de melhores informações referentes à venda de partes das ações da Universidade Estácio de Sá que se encontra à Venda, pela web. Sou um corretor e tenho um grupo que pretende entrar no ramo. Obrigado Um abraço Luciano Marques Godinho 062-3941-.6797 e 8138-8744

  • Avatar
    02/10/2011 10:38:08Wilson AkashiAnônimo

    Represento um grupo de investidores na área de educação que está interessado. Gostaria de saber como entrar em contato para iniciarmos a negociação.

  • Avatar
    05/05/2011 13:10:51Evandro Garcia GomesAnônimo

    Gostaria de saber o valor exato do percentual de 41%,em valores. tenho um grupo que estão intereçado em adquirir a Faculdade no todo e qual o valor, que está a venda. Pode ser em sigilo extremo, grato.

  • Avatar
    26/02/2011 18:53:16vanessaAnônimo

    Estudantes da Estácio de Sá - SC ocupam os corredores por mais qualidade de ensino Os estudantes aos poucos foram se reunindo, um a um, e ás 19h do dia 23 de Fevereiro, já eram dezenas de estudantes ocupando os corredores da Estácio de Sá. â??Não foi fácil, no início muitos olhavam desconfiados, mas conforme o Ato prosseguia, mais confiabilidade e respeito conquistavamâ? afirmou um dos organizadores. O movimento que foi puxado pelos estudantes do curso de Direito e com a União Catarinense dos Estudantes começaram com palavras de ordem que externava um pouco do sentimento de todos os manifestantes: Insatisfação. "A nossa luta, é todo dia. Educação não é mercadoria" era apenas uma de tantas outras palavras de ordem. O som das vozes dos estudantes em uníssono ecoava por toda parte, o que acabava convencendo estudantes de outros cursos a entrar no manifesto. E assim, mais estudantes apareciam. O ato foi o ponta-pé inicial na Jornada de Lutas em Santa Catarina, exigindo mais qualidade de ensino, por livre organização estudantil e contra perseguições de estudantes e bolsistas por parte da instituição. Muitos foram os relatos de estudantes que passaram por essa situação de humilhação, mau atendimento, falta de tato ao lidar com os anseios dos estudantes e as perseguições aos bolsistas que questionavam sobre a qualidade de ensino na Instituição. Então o movimento que já havia feito um abaixo-assinado, passava agora recolhendo as assinaturas de apoio a Carta de Reivindicações dos estudantes. "Passou do momento da gente fazer alguma coisa, porque a minha mensalidade teve aumento de 33% e ninguém fala nada. Não tem ninguém pra defender a gente!" declara uma acadêmica do curso de Farmácia. Para o Presidente da UCE, o movimento foi vitorioso por contemplar não apenas reivindicações dos estudantes do curso de direito, mas de muitos outros cursos. "Esse ato de hoje é uma grande conquista dos estudantes do cu

  • Avatar
    18/08/2010 19:43:30horacioAnônimo

    a saida de um homem que transformou um curso na maior universidade do pais mostra que a nova administração deve ser questionada. A politica de baixos salarios, trabalho sem condiçoes, pessoas com seus salarios diminuidos, metas absurdas... certamente não foi a forma de se obter colaboradores. Os acionaistas e investidores devem colocar a " barba de molho".

  • Avatar
    18/08/2010 18:37:11Denise MarinhoAnônimo

    O caso da Estácio é muito simples. O presidente, um mauricinho-egocentrico-narcisisita, não dá o menor valor ao conhecimento, visa apenas ganhar dinheiro com a desgraça alheia. O fato de dispensar professores qualificados em detrimento de professores mais baratos, dando ordens explicitas para que sejam diminuidas as cargas horárias de professores "mais caros": é um desafio ao MEC, digno de alguém que se julga acima do bem e do mal. A Estácio se transformou em uma instituição de apostilas. O aluno recebe um "kit estudante" e passa a ser guiado pelas apostilas em seus estudos... Os professores vagam pelos corredores, sem uma liderança, sem critério, perdidos e confusos. O medo de ser demitido faz do professor uma marionete, além de criar um clima de competição nocivo, incompatível com um ambiente onde a única competição deveria ser entre as idéias. As disciplinas otimizadas misturam alunos de primeiro período com alunos de quinto período, num caos inadministrável pelos pobres professores. Os coordenadores tiveram seus ganhos reduzidos a um terço, para trabalhar a mesma carga horária. Os que reclamam ou são contra essa barbaridade são demitidos sem nenhuma explicação, mesmo bem avaliados institucionalmente, e sem nenhuma falta ou registro de repreensão por parte da "administração profissional". A tal meritocracia é uma fraude. A avaliação institucional, ferramenta importante instituida pelo MEC é manipulada, pois os alunos e professores são praticamente obrigados a responder o questionário: aulas são interrompidas, prêmios são oferecidos, pedidos "insistentes" são feitos. Os professores agora são "captadores" de alunos. Os diretores de unidades, agora, são peças chave na "retenção a qualquer preço". A tal centralização das coordenações e suas "decisões democráticas" são uma forma de esconder desatinos e diminuição de cargas-horárias com um único propósito: faturar mais e gastar menos. Os profissionais que tra

  • Avatar
    14/08/2010 23:47:25DiegoAnônimo

    O Homem é o mais importante dos ativos de uma organização, como empregado, fujindo do romantismo de ser chamdo de "colaborador", acho que os novos - donos - da UNESA, deveriam olhar e valorizar mais aqueles que estão na ponta, que fazem o atendimento do aluno, as mas condições de trabalho e sálario medíocre refletem bastante. Pense nisso pessoal.

  • Avatar
    14/08/2010 23:42:58DiegoAnônimo

    O Homem é o mais importante dos ativos de uma organização, como empregado, fujindo do romantismo de ser chamdo de "colaborador", acho que os novos - donos - da UNESA, deveriam olhar e valorizar mais aqueles que estão na ponta, que fazem o atendimento do aluno, as mas condições de trabalho e sálario medíocre refletem bastante. Pense nisso pessoal.

  • Avatar
    13/08/2010 17:24:19Renato P. BrandãoAnônimo

    O conflito instaurado entre a família Uchoa e a GP Investimento no tocante à administração da Estácio Participações expõe a situação verdadeiramente calamitosa, salvo raras exceções, do ensino superior privado, responsável por cerca 80 % das matrículas deste setor educacional. Não sem razão, João Uchoa, acionista majoritário da Estácio Participações, nunca se apresentou como â??donoâ? da Universidade Estácio de Sá, espinha dorsal da Estácio Participações, mas unicamente como seu â??fundadorâ?. Ele, como juiz aposentado, sabe que, legalmente, uma universidade não pode ter â??donoâ?, por ser uma concessão pública. Como nem a Constituição nem a LDB diferencia institucionalmente as universidades em públicas e privadas, a diferença está no caráter jurídico de sua mantenedora, que pode ser, de um lado, o executivo federal, estadual ou mesmo municipal ou, de outro, uma entidade de caráter privado ou confessional. Essa concessão nuca tem caráter definitivo, podendo ser caçada pelo MEC a qualquer momento, caso se constate irregularidades em seu funcionamento. Assim, como o que está sendo posto à venda são ações da Estácio Participações, e não da Universidade Estácio de Sá, fica uma pergunta a ser respondida: Qual é a relações jurídica estabelecida entre a Estácio Participações e a Universidade Estácio de Sá, já que o ente jurídico que detém a concessão da Universidade, como mantenedora, é a Sociedade de Ensino Superior Estácio de Sá ? Ã? preciso que haja por uma manifestação por parte do nosso ministro da educação para os devidos esclarecimentos de como o MEC acompanha a transferência de suas concessões entre mantenedoras diversas e da CVM para que se saiba qual é o verdadeiro patrimônio da Estácio Participações. . .

  • Avatar
    12/08/2010 11:05:00Samba cariocaMembro SRZD desde 18/07/2009

    Se abaixar mais eu compro!!!!!!!!!rsrsrsrsrsrssrs

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.