SRZD


31/08/2010 07h56

Última edição impressa do 'Jornal do Brasil' circulou nesta terça-feira
Laura Machado

Após 119 anos, o "Jornal do Brasil" impresso se despede dos cariocas, nesta terça-feira. O veículo passa a ser 100% digital, nesta quarta-feira. A última edição foi feita em clima de tranquilidade na redação. Segundo o diretor do "JB", Humberto Tanure, a equipe está otimista com as mudanças.

"O 'Jornal do Brasil' hoje só chega no Rio de Janeiro, agora chegará no mundo todo. Já tivemos muitas novas assinaturas e estamos num ambiente de absoluto otimismo", explicou Tanure em entrevista para o portal "Comunique-se". "Vamos ter uma redação com quase 100 pessoas, incluindo fotógrafos e diagramadores. Houve poucas demissões e contratamos gente jovem para a parte de tecnologia", complementou.

No entanto, o SRZD apurou que as poucas demissões se devem ao fato que muitos profissionais preferiram deixar o veículo logo que as mudanças foram anunciadas, há cerca de um mês. Alguns aceitaram convites de concorrentes.

Tanure avisou ainda que o novo site vai contar com notícias em tempo real, sendo o acesso liberado a todos os internautas, e que a versão digital vai ter acesso restrito apenas para assinantes. A assinatura mensal vai custar R$ 9,90. Porém, por 15 dias o conteúdo vai estar disponível para todos os leitores. A  estreia do "JB" digital promete um artigo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva escrito para a ocasião.

Lamentos sobre o fim da edição impressa

Apesar do bom clima na redação do "JB", muitos leitores estão de luto, nesta terça. Além dos cariocas, estrangeiros também lamentam o fim da versão impressa.

"O 'JB' foi o primeiro jornal brasileiro que li e o primeiro jornal brasileiro que conheci quando cheguei aqui (Rio de Janeiro). Acho muito triste que a versão impressa para de circular!!", disse Runa Hestmann Tierno, jornalista da Noruega.

"O 'JB' despertou, em mim, a vontade de ser jornalista. Desde pequena, pegava a edição comprada pelo meu pai para ler as matérias e admirar as fotos. E ficava ouvindo ele falar como o jornal era bom e sua leitura diária indispensável. Sabia que lá estavam os melhores jornalistas e as melhores notícias. E que ter seu nome assinando uma daquelas matérias era sonho de todo e qualquer profissional de comunicação. Assim, na época do vestibular não tive dúvidas: optei por Comunicação Social para, finalmente, conseguir trabalhar ao lado daqueles jornalistas que eu tanto admirava, no prédio do jotinha na Avenida Brasil, 500. Já no terceiro período da UFF consegui um estágio no 'JB Online', o primeiro jornal brasileiro na internet. Participava de mais um dos pioneirismos do 'JB'. No meu primeiro dia de trabalho, chorei ao passar pela porta da redação. Finalmente, eu fazia parte daquele jornal que sempre admirei. Muito mais do que à faculdade que, sim, me ensinou muita coisa, devo ao 'JB' parte importante da minha formação profissional. Fui contratada pela redação depois de formada e foi lá, durante pouco mais de quatro anos, que aprendi o quanto é importante ser ética, imparcial, justa com os colegas de trabalho e obstinada pela comunicação correta e eficaz. Lamento muito pelo fim do 'JB'. O país perde uma referência, os leitores perdem um enfoque que só ele tinha e os estudantes perdem a possibilidade de participar de um dos melhores e mais respeitados veículos de comunicação do mundo. Que bom que eu ainda tive essa oportunidade",  contou a jornalista Adriana Bittencourt.

Aproveite para desabafar, escreva e conte para o SRZD sua relação com o "Jotinha".

- Sidney Rezende: 'Trabalhei no velho JB'

- Blog Soares Jr: 'Adeus, JB'


Veja mais sobre:Jornalismo

Comentários
  • Avatar
    01/09/2010 19:06:01sani saores de souza chunAnônimo

    Trabalhei no JB do período de 1989 a 1995, ali fiz amigos que mantenho até hoje, tive experiências que foram determinantes no aprimoramento da minha formação. O JB fui o primeiro jornal o qual tive contato como leitora por influência de meu irmão e sou grata a ambos pela boa influência. Ainda estou em estado de choque. Vai ser dífícil não pedir "um JB" na banca. Grande perda.....

  • Avatar
    01/09/2010 17:50:05VivianeAnônimo

    L A M E N T Ã? V E L !

  • Avatar
    01/09/2010 15:04:31else menezesAnônimo

    Sergio Sou sua fã, vejo sempre seu programa na Globo News e gosto muito quando você entra em contato com a Maria no Estudio I. Estava viajando, na roça, e só chequei hoje ao Rio de Janeiro. Gostaria de comprar a última edição do JB, sabe onde posso conseguir? Grata Else

  • Avatar
    01/09/2010 11:47:07Juvenal PortellaAnônimo

    O "Jornal do Brasil" me deu tudo o que sei e tudo que tenho, durante aqueles anos de 60,70 e 80 em que lá estive. Fui diretor e professor de uma escola de jornalismo e pude perceber o quanto não é boa a formação e pude perceber o quanto não é boa a formação dada aos alunos que, infelizmente, não terão o privilegio que eu tive de ser o reporter especial que fui do maior jornal deste pais.

  • Avatar
    01/09/2010 07:26:13ana cristina de paula alvesAnônimo

    Olá, resolvi deixar meu comentário por também lamentar a extinção do JB sou carioca mas atualmente resido em Brasília, e qualquer mudança principalmente relacionada a evolução é bem vinda mas a arte de aos domngos pela manhã ir ao jornaleiro e adquiri uma edição deste jornal era sempre uma emoção ...

  • Avatar
    01/09/2010 03:16:41Roberta PessoaAnônimo

    Gostaria de saber como consigo a última edição do 'JB'.

  • Avatar
    31/08/2010 22:12:25SilvioAnônimo

    Corrigindo, Adolpho Bloch não teve filhos, quem desmantelou o grupo foi seus herdeiros.

  • Avatar
    31/08/2010 22:00:49SilvioAnônimo

    O Rio em si esta se acabando, infelizmente os empresarios cariocas não possuem espirito emprendedor, os que tinham ja morreram. Foi ate um milagre que os filhos de Roberto Marinho não terem destruido o patrimonio que Roberto Marinho Construiu, assim como os Filhos de Adolpho Bloch fizeram. Espero que um dia eu veja uma materia que fale algo bom, de investimento para a imprensa no Rio, e não mais um fechamento melancolico.

  • Avatar
    31/08/2010 19:42:27Eduardo BelmontAnônimo

    Hoje recebi com tristeza a notícia da última edição do JB impresso. Nunca fui um leitor assíduo de jornal, até porque a alergia que tenho ao papel do jornal não ajuda. Cresci vendo o JB nas mãos do meu irmão mais velho, intelectual por natureza. Ele me falando da importância de estar atualizado por meio dos jornais. O tempo foi passando e quando me deparei com as Artes Gráficas comecei a ver o JB com outros olhos. Seu projeto gráfico era ousado, moderno, singular. Além do jornal não posso deixar de citar a revista DOMINGO, que vinha encartada. Com um conteúdo refinado e um projeto gráfico também inspirador. Eu tinha uma coleção delas e por muitos anos me serviram como fonte de pesquisa. Hoje de madrugada, quando alimentava o site do Jornal Gazeta de Notícias, me deparei com a notícia: â??Ã?ltima edição impressa do JB circula hojeâ?... Naquele momento senti uma tristeza e um grande vazio. Estou tão distante e com certeza não vou ter em minhas mãos esse exemplar histórico. Aos meus amigos, quem o encontrar, por favor, guarde para mim. Vou receber este exemplar como um presente. Belmont

  • Avatar
    31/08/2010 18:59:53Paulo Wagner da CruzAnônimo

    Me lembro até hoje da reportagem do fim do Eletra na ponte aérea Rio-São paulo.Na época falaram que o Eletra também deixaria saudade.Se deixou Eu não sei prefero os jatos.Mais o JB com certeza deixará.

  • Avatar
    31/08/2010 16:24:45Wagner MariquitoAnônimo

    Ã? triste mesmo que JB encerre suas atividades. Eu, assim como o meu pai, li muito o JB, mas cheguei num ponto em que me vi sem notícias sobre a minha região, a Baixada Fluminense. Sabem por quê? Porque o JB ignorava a Baixada Fluminense, exceto por publicar as notícias escabrosas sobre a realidade daquela região. Nunca vi uma matéria cultural sobre a baixada. O JB era ótimo mesmo, mas era só Zona Sul. E, mesmo com um pouco de mágoa com o JB, fica aqui o meu lamento pelo seu fim. Abraço!

  • Avatar
    31/08/2010 15:00:07Deunice XimenesAnônimo

    Eu Trabalhei no Jornal do Brasil. Ã? realmente uma perda lamentável o fim da edição impressa do JB, Fica a lembrança de boa época, boas amizades.

  • Avatar
    31/08/2010 13:46:01Luciléa Pereira RosarioAnônimo

    Ã? lamentável ver esta grande escola a qual pudemos participar e aprender a amar ir embora sem ao menos se despedir. Fica a saudade...

  • Avatar
    31/08/2010 10:04:36UIRAPOTIMembro SRZD desde 01/09/2010

    Fiquei, CONSTERNADO, com a PERDA, da EDIÃ?Ã?O IMPRESSA DO JB,PEÃ?O MINHAS DESCULPAS, NÃ?O, SÃ?, AO BOM DIA BRASIL,A, LILIAN LEITÃ?O, DEMAIS EDITORES, A REDAÃ?Ã?O DO SRZD, O QUAL EU GOSTO MUITO,Q. TODOS OS DIAS, EU, ESTOU LIGADO, QUE HOJE FAZ, FALTA NO MEU DIA DIA, SE NÃ?O, LER AS EDIÃ?Ã?ES DIGITAIS DO SRZD, ALGO IMPORTANTE ESTÁ FALTANDO EM MINHA VIDA. A CONSTERNAÃ?Ã?O DA PERDA, QUEIMOU A MINHA LÍNGUA.

  • Avatar
    31/08/2010 09:37:59UIRAPOTIMembro SRZD desde 01/09/2010

    Humildemente, PEÃ?O PERDÃ?O, AO BOM DIA BRASIL por ter citado, que não fez,nenhum comentário, FEZ, SIM, quando liguei, a TV, o comentário, feito pela Lilian Leitão,já tinha acontecido,e torno ASSISTI-LO, NA EDIÃ?Ã?O DA GLOBO NEWS,DESDE JÁ PEÃ?O, MINHAS DESCULPAS.

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.